OS 70 ANOS DE TEX: CARTAZES DA EXPOSIÇÃO NA AMADORA

Por cortesia do blogue do Tex, apresentamos também não um, mas os DOIS CARTAZES (ambos com artes texianas do consagrado desenhador Bruno Ramella, após a devida aprovação por parte da Sergio Bonelli Editore) referentes à exposição comemorativa dos 70 anos de Tex, evento a realizar nos dias 29 e 30 de Setembro (com a participação dos autores Bruno Ramella e Moreno Burattini) na cidade da Amadora, mais precisamente na sede do Clube Português de Banda Desenhada, evento esse que contará também com uma Mostra composta por 30 pranchas e capas de 30 desenhadores diferentes, que mostrarão a evolução de Tex ao longo destas sete décadas de vida editorial.

Na exposição poderão ser apreciadas artes desses 30 desenhadores que trabalharam com Tex ou que inclusive ainda trabalham, como por exemplo Aurelio Galleppini, popularmente conhecido por Galep, Virgilio Muzzi, Erio Nicolò, Carlo Marcello, Alfonso Font, José Ortiz, Aldo Capitanio, Claudio Villa, Giovanni Ticci, Fabio Civitelli, Pasquale Frisenda, Massimo Rotundo, Stefano Biglia, Stefano Andreucci e até do próprio Bruno Ramella, que estará presente, juntamente com Moreno Burattini, para abrilhantar ainda mais este grandioso evento imperdível para todo o fã e coleccionador de Tex que se preze, até porque 70 anos só se celebram uma vez na vida e nem todos chegam a essa bonita idade…

Voltando aos DOIS CARTAZES, Bruno Ramella acabou por fazer dois desenhos exclusivos do Ranger para o evento português, de modo a que os organizadores lusitanos escolhessem o que considerassem mais apropriado. Mas perante tamanha qualidade de ambos os desenhos, o Clube Português de Banda Desenhada e o Clube Tex optaram por usar as duas ilustrações de Tex para os belíssimos cartazes que divulgamos hoje.

(Texto e imagens extraídos do Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa dos cartazes, clique nos mesmos).

Advertisements

O FUTURO DE TEX

SERGIO BONELLI (autor e editor de BD)

«As novas gerações não gostam de westerns. Tex continua a ser a BD mais vendida em Itália, mas todos os meses perde leitores; pode ser que daqui a cinco ou seis anos já não haja suficientes para o manter. Infelizmente, a BD está destinada a dar lugar, em breve, a outros divertimentos mais fáceis e cativantes».

Declarações proferidas por Sergio Bonelli em 2008. Felizmente, Tex — prestes a comemorar, no final deste mês, 70 anos de carreira (um autêntico veterano!) — continua firme como uma rocha, empunhando bem alto o facho do western clássico, rodeado ainda por uma multidão de leitores fiéis e por uma equipa de talentosos autores e editores que, nos últimos sete anos, lhe deram novo impulso. Sergio Bonelli estava enganado!

LONGA VIDA A TEX!

Ilustração de Gianluca Acciarino, com Sergio Bonelli e os seus personagens: Tex, Zagor e Mister No.

JÁ CHEGOU A PORTUGAL O MATERIAL DA SERGIO BONELLI PARA A EXPOSIÇÃO DOS 70 ANOS DE TEX

Já chegou a Portugal o material da Sergio Bonelli Editore para a exposição comemorativa dos 70 anos de Tex, evento a realizar nos dias 29 e 30 de Setembro (com a participação dos autores Moreno Burattini e Bruno Ramella,) na cidade da Amadora, mais precisamente na sede do Clube Português de Banda Desenhada, material esse que já está a ser devidamente emoldurado e pronto a ser exposto. Serão 30 pranchas e capas de 30 desenhadores diferentes que mostrarão a evolução de Tex ao longo destas sete décadas de vida editorial.

Pranchas a expor no evento comemorativo dos 70 anos de Tex, a realizar na Amadora, nos dias 29 e 30 de Setembro

Na foto que ilustra este texto podemos ver artes de Aurelio Galleppini, popularmente conhecido por Galep (a mítica primeira página de Tex, publicada em Setembro de 1948), Virgilio Muzzi, Erio Nicolò, Carlo Marcello, Alfonso Font e José Ortiz

                         A icónica primeira tira de Tex, desenhada por Galep, em 1948

Na exposição do CPBD (em parceria com o Clube Tex Portugal) poderão ser apreciadas artes de 25 outros autores que trabalharam com Tex ou que inclusive ainda trabalham, como por exemplo Aldo Capitanio, Claudio Villa, Giovanni Ticci, Fabio Civitelli, Pasquale Frisenda, Massimo Rotundo, Stefano Biglia, Stefano Andreucci, e até do próprio Bruno Ramella, que estará presente, juntamente com Moreno Burattini, para abrilhantar ainda mais este grandioso evento imperdível para todo o fã e coleccionador de Tex que se preze, até porque 70 anos só se faz uma vez na vida e nem todos chegam a essa linda idade!…

                         A primeira capa da série actual de Tex estará exposta na Amadora

(“Post” reproduzido do Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa das imagens supra, clique nas mesmas)

A ARTE DOS MESTRES: GALEP

“Senhor, perdoai-o!”

Nesta singular imagem, a que poderíamos dar o título de O Místico e o Profano” ou O Santo e o Pecador”, vemos São Francisco de Assis (o Santo Poverello) abençoando, com um gesto misericordioso, o célebre pistoleiro Tex Willer, terror dos bandidos que, no mundo dos fumetti, infestam o Oeste Americano.

A arte magnífica é de Aurelio Galleppini (Galep), a quem coube a glória de ter sido, há 70 anos, o primeiro criador gráfico de Tex.

(Imagem reproduzida do Tex Willer Blog)

SANDRO SCASCITELLI, OUTRO AUTOR ITALIANO NA REVISTA Nº 8 DO CLUBE TEX PORTUGAL

Por José Carlos Francisco (Tex Willer Blog)

A revista do Clube Tex Portugal, devidamente autorizada pela Sergio Bonelli Editore, neste seu oitavo número, a publicar ainda neste mês de AGOSTO, para além de ter a participação de Laura Zuccheri, com um desenho de Tex e Dinamite (que será publicado na contracapa) e devidamente dedicado ao Clube Tex Portugal, também contará com a ilustre presença do Mestre Sandro Scascitelli!

Sandro Scascitelli no seu estúdio

Para contribuir e valorizar ainda mais este 8º número de uma revista já fadada ao sucesso e que também contará, como já mostrámos, com as colaborações de Pasquale Del Vecchio, Fabio Civitelli e Moreno Burattini (para além das de vários sócios), SANDRO SCASCITELLI vem enriquecer este projecto nacional ao desenhar para o verso da capa da revista uma magnífica ilustração de Tex, devidamente dedicada aos amigos do Clube Tex Portugal:

O verso da capa da revista nº 8 do Clube Tex Portugal terá uma ilustração exclusiva de SANDRO SCASCITELLI, dedicada aos amigos do Clube Tex Portugal

Quem ainda não é sócio e queira fazer parte do Clube Tex Portugal – cujos estatutos podem ser vistos aqui – pode inscrever-se enviando um e-mail para José Carlos Francisco, sendo necessário pagar uma jóia de inscrição de 5,00 € e uma quota mensal de 2,00 € (2,50 € se não for residente em Portugal).

OS 70 ANOS DE CARREIRA EDITORIAL DE TEX SERÃO COMEMORADOS, EM SETEMBRO, PELO CPBD E PELO CLUBE TEX PORTUGAL

Bruno Ramella, desenhador de Tex, estará na Amadora nos dias 29 e 30 de Setembro para celebrar os 70 anos do famoso Ranger.

Neste ano de 2018, em que se celebram os 70 anos de vida editorial de Tex Willer, o Clube Português de Banda Desenhada (CPBD), instituição fundada a 28 de Junho de 1976 e que recentemente completou 42 anos de existência, decidiu associar-se ao Clube Tex Portugal e à Sergio Bonelli Editore, de modo a realizar na sua sede, na Reboleira (Amadora), uma grande exposição comemorativa dos 70 anos de Tex Willer, exposição essa que contará com trinta (30) pranchas das aventuras do Ranger criado em 1948 por Gian Luigi Bonelli e Aurelio Galleppini, englobando trinta autores dos primórdios da saga até aos nossos dias.

Tratar-se-á de uma Mostra composta por uma prancha desenhada por cada um dos trinta desenhadores seleccionados pela Sergio Bonelli Editore e representativa da evolução de Tex no decurso destes 70 anos de vida editorial. A Mostra também conterá revistas, livros e objectos variados (relacionados com Tex) das colecções de Carlos Gonçalves, vice-presidente do Clube Português de Banda Desenhada, Mário João Marques e Carlos Moreira, directores do Clube Tex Portugal.

Mas, para além daquela que será até hoje a maior exposição de pranchas de Tex no nosso país, outro grande destaque da comemoração desta efeméride é que iremos ter em Portugal, para celebrar com os fãs e coleccionadores de Tex em particular e da banda desenhada em geral, DOIS autores do staff oficial de Tex: Moreno Burattini e Bruno Ramella, autores que dispensam apresentações, com a particularidade de que, pela primeira vez, vamos ter a presença no nosso país de um escritor de Tex, que acompanhará Bruno Ramella, um dos mais promissores desenhadores do Ranger, até à Amadora, nos dias 29 e 30 de Setembro p.f.

Moreno Burattini, ilustre sócio honorário do Clube Tex Portugal, será o primeiro escritor de Tex a participar num evento português.

Como forma de agradecimento por este convite, Bruno Ramella fará uma magnífica ilustração de Tex exclusiva para o evento da Amadora e dos 70 anos de Tex, no CPBD, tradição já habitual e que ocorre sempre que um autor de Tex nos visita, de modo a registar a sua primeira passagem por Portugal!

Bruno Ramella vai estrear-se na saga do Ranger, precisamente neste mês de Julho, numa aventura épica que trará o (quarto) retorno, mais de 25 anos depois, do surpreendente homem dos cem rostos, o “ressuscitado” Proteus, o que mostra bem a confiança depositada por Mauro Boselli, principal responsável editorial de Tex, em Bruno Ramella.

O regresso de Perry Drayton, mais conhecido por “Proteus”, numa página desenhada por Bruno Ramella.

Para finalizar, assinale-se que em 2018 teremos em Portugal a incrível presença e participação de SETE autores de Tex, um muito provável recorde a nível mundial, número que pode vir a ser aumentado, porque ainda só atingimos a primeira metade de 2018.

(Imagens e texto parcialmente reproduzidos do Tex Willer Blog, onde poderão ver o “post” completo e mais informações sobre este evento).

“TEMPESTADE SOBRE GALVESTON”, COM UMA NOVA CAPA, EM EDIÇÃO HOLANDESA

Por José Carlos Francisco

“Tempestade sobre Galveston” foi uma aventura publicada na colecção italiana dos Tex Gigante, cuja arte coube ao consagrado desenhador Massimo Rotundo, sendo o texto da autoria de Pasquale Ruju.

“Tempestade sobre Galveston” – versão italiana

Uma aventura onde o coronel Woodlord administra ainda a sua plantação de algodão como nos tempos idos da escravatura. Na pista de um bando de ladrões de bancos, Tex e Carson acabam por se ver enredados numa elaborada intriga para encontrar um tesouro, herança de um famoso jogador de cartas e pistoleiro. Quem herda? Eleanor Hood, a fascinante proprietária do “Lucky Smile”, o “saloon” de Galveston, que aprendeu a crescer e fazer-se respeitar num mundo de homens. Decorrendo num período temporal de poucos dias, esta é uma história plena de peripécias, com reviravoltas sucessivas, num enredo onde os personagens servem para realçar as características clássicas de Tex: a invencibilidade, a intolerância contra os agressores e a capacidade de distinguir o certo do errado num só olhar. Enquanto decorre a acção, ao longe forma-se a tempestade do século que, com estrondo, se irá abater sobre a cidade!

“Tempestade sobre Galveston” – versão portuguesa

A história foi publicada em 2016 no nosso país, através da Polvo Editora, tendo Massimo Rotundo feito, na altura, uma capa exclusiva para Portugal, como podemos recordar vendo essa maravilhosa capa aqui mesmo, neste post. Pois bem, chegou a vez da Holanda publicar este Tex Gigante e o desenhador romano brinda também os coleccionadores holandeses com uma capa exclusiva, como se pode ver através da ilustração original da autoria de Rotundo.

“Tempestade sobre Galveston” – versão holandesa

Esta história (“Tempestade sobre Galveston“) foi, entretanto, publicada noutros países, como por exemplo no Brasil, através da Mythos Editora, mas somente Portugal e Holanda têm o privilégio de ter uma capa exclusiva para cada um dos países, algo que já é quase uma tradição em Portugal, onde a Polvo nos tem brindado com várias capas exclusivas.

“Tempestade sobre Galveston” – versão brasileira

(Texto e imagens reproduzidos do Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa  das imagens supra, clique nas mesmas).

Nota do Era Uma Vez o Oeste:  Embora qualquer destas capas tenha o selo de excelência de um ilustre autor da BD italiana, não há dúvida de que a mais original é a que Massimo Rotundo realizou para a edição portuguesa da Polvo. Uma capa que se destaca, entre outros motivos, pelo cunho quase surrealista da composição, associando as cartas de jogar, com figuras que são personagens da história (e a volatilidade do jogo… e do destino, se quisermos ir mais longe), às nuvens negras (e à ameaça) da tempestade.