MORREU RENZO CALEGARI

O homem que desenhou
 “A Balada de Zeke Colter”

Renzo Calegari (5 de Setembro de 1933 – 5 de Novembro de 2017)

Por Mário João Marques

Esta é uma das notícias que nunca queremos dar, mas que a lei da vida a isso nos obriga. Renzo Calegari, grande desenhador do fumetto italiano, faleceu no passado domingo, dia 5, aos 84 anos, deixando a banda desenhada mais pobre. Artista com duas grandes paixões, o desenho e a História, Calegari deixou bem patente o seu talento em 54 anos de uma intensa carreira, onde dedicou particular atenção ao Oeste americano, compondo páginas de verdadeira literatura desenhada.

Nascido em 1933, em Bolzaneto (Génova), Calegari começou a desenhar em 1955 para o estúdio de Rinaldo Dami, iniciando o seu percurso ao lado de autores como Gino D’Antonio em El Kid ou I Tre Bill, ou Gianluigi Bonelli em Big Davy. A partir de 1964 assina uma das suas obras primas, La Storia del West, em colaboração com grandes autores, entre eles Gino D’Antonio, Sergio Tarquinio e Renato Polese, onde vai contar a longa saga da família MacDonald durante o período dos primeiros colonos no Oeste americano.

Deixa a banda desenhada em 1969 para integrar o movimento de 68, regressando à sua paixão na década de 70 com outra obra-prima, a mini-série Welcome to Springville, escrita por Giancarlo Berardi. Para a Orient Express e Il Giornalino realiza a série Boone e Gente di Frontiera, até chegar a Tex, desenhando La Balata di Zeke Colter (auxiliado por Stefano Biglia, hoje um dos autores de ponta de Tex, e Luigi Copello), uma aventura escrita por Claudio Nizzi e publicada no Almanacco del West 1994.

Em 2004, desenhou uma aventura bélica para Mister No, intitulada Storia di um Soldato e escrita por Michele Masiero. Finalmente, em 2007, desenhou para a Sergio Bonelli Editore Bandidos!, um western escrito por Gino D’Antonio.

Com o seu talento e a sua paixão, Calegari exprimiu cultura nos seus trabalhos como poucos conseguem fazer, mas nos últimos anos da sua vida passou por momentos difíceis, sobretudo após o falecimento da sua mulher, vivendo carências a nível económico e humano, facto que, infelizmente, parece ser característico de alguns dos grandes artistas nas suas mais variadas atividades.

Os apelos em seu auxílio fizeram-se sentir, nomeadamente para que este grande autor fosse incluído na Lei Bacchelli, como efetivamente veio a acontecer, um fundo a favor de cidadãos ilustres, importante não só do ponto de vista material, mas também como sinal de reconhecimento público e de solidariedade pelo seu empenho e carreira. Um artista que nunca renegou os seus ideais e que ao longo da sua vida sempre lutou por uma sociedade mais livre e mais justa, por isso, Renzo Calegari foi sempre alguém que viveu para além das suas belas pranchas.

Morreu no passado domingo, aos 84 anos, poucos dias após a sua carreira ter sido reconhecida com o prémio Turio Copello, instituído pela sociedade económica de Chiavari e que se destina a premiar a criatividade dos artistas locais.

(Fonte: Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa das imagens, clique nas mesmas).

Advertisements

OS ROSTOS DE UM HERÓI – 1

Um jovem Tex Willer na deslumbrante arte de Claudio Villa

(para o evento Lucca Comics & Games 2017)

A juventude de Tex, um longevo herói das histórias de cowboys de origem europeia, é todo um mundo com muitas peripécias ainda por desvendar. Estamos certos de que, cada vez mais, esse mundo será explorado pelos desenhadores e argumentistas da Sergio Bonelli Editore e que os fãs texianos ficarão rendidos à imagem de um Tex juvenil, diferente e próximo, ao mesmo tempo, daquele herói que tão bem conhecem.

O mesmo aconteceu com outras personagens de banda desenhada que, ao vencerem a barreira do tempo, procuraram voltar às origens, a um passado anterior à sua criação, ganhando assim ainda mais identidade mítica, para gáudio dos seus admiradores, sobretudo dos mais jovens (que se revêem na metamorfose física desses heróis) e dos que apoiam novas ideias, novos rumos, sem deturpar os padrões tradicionais.

Além disso, esse retorno de Tex ao passado (mote principal da colecção Romanzi a Fumetti) poderá permitir o seu encontro com figuras históricas que, na série actual, já desapareceram do mundo dos vivos e que, portanto, não podem ser reinventadas. Um autêntico manancial de aventuras e emoções, que dará certamente novo fôlego a um herói já quase com sete décadas de existência… e sempre no top da popularidade!

(Nota: as imagens deste post foram extraídas do Tex Willer Blog).

Romanzi a Fumetti vol. 6, desenhos de Stefano Andreucci (capa incluída), uma nova colecção que segue o modelo franco-belga de álbuns cartonados, com histórias completas

CLAUDIO NIZZI REGRESSA EM FORÇA COMO ARGUMENTISTA DE TEX

Por José Carlos Francisco

Claudio Nizzi viu ser terminada a sua longa e importante cola- boração na saga de Tex Willer nas edições italianas nº 631 e 632 de Tex, respectivamente publicadas em Maio e Junho de 2013, com a aventura “L’oro dei monti San Juan“, desenhada por Lucio Filippucci, que desse modo representava a última peça posta por Claudio Nizzi no mosaico das aventuras de Águia da Noite, depois de mais de 30 anos de carreira bonelliana e culminando precisamente o trigésimo aniversário a escrever aventuras do Ranger — já que essa sua última aventura permitiu, casualmente, a Nizzi cobrir com as suas histórias um arco de precisas 360 edições (de Tex 273 a Tex 632), que equivalem a exactos 30 anos.

A estreia na série principal de Tex acon- teceu em Julho de 1983 e dois anos depois já era o escritor principal, tendo em conta que mais de 50% das páginas publicadas tinham a sua assinatura, e inclusive em 1988, 1990 e 1992 cometeu a façanha de escrever todas as histórias publicadas nesses anos. Tal não acontecia desde 1975, quando pela última vez Gianluigi Bonelli conseguiu assinar todas as edições da série num só ano — e, sobretudo, não voltou mais a acontecer até aos nossos dias.

Mas para grande surpresa do mundo texiano, a carreira de Claudio Nizzi em Tex afinal não tinha terminado há quatro anos, como todos já tinham imaginado, porque recentemente Nizzi aceitou o convite de Mauro Boselli para voltar a escrever novas histórias de Tex.

A primeira história neste seu regresso terá 32 páginas e será publicada no próximo Color Tex, como já tínhamos anunciado AQUI mesmo [no blogue do Tex]. Trata-se da história “Dal tramonto all’alba, desenhada por Roberto Zaghi. Mas, numa recente visita à redacção da Sergio Bonelli Editore, conseguimos apurar que o regresso de Nizzi será em força e em grande estilo, pois Claudio Nizzi já escreveu TRÊS novas histórias do Ranger, todas elas longas e para séries bem consolidadas, mais precisamente duas para a série principal e uma para a série Maxi Tex.

E segundo nos confidenciou Giorgio Giusfredi, vice-editor de Tex, as histórias são muito boas e vão certamente agradar aos fãs e coleccionadores de Tex, já que Nizzi voltou em grande forma, tanto que já escreveu as 714 páginas que comporão estas três histórias, tendo a particularidade de uma delas ainda nem sequer ter sido começada a ser desenhada, visto o desenhador eleito, Giovanni Ticci, estar ainda a concluir a história comemorativa dos 70 anos de Tex e só depois começará a desenhar a aventura escrita por Nizzi, que terá assim uma velha dupla de muitos sucessos no passado: Ticci & Nizzi!

Mas também as outras duas histórias de Claudio Nizzi já estão destinadas a dois dos mais consagrados desenhadores da editora Bonelli: Lucio Filippucci e Giancarlo Alessandrini, conforme se pode ver numa das fotografias que ilustra este texto. Inclusive, podemos desse modo dar a conhecer os títulos provisórios destas três novas histórias de Tex:

Fuga verso il confine – Tex – Claudio Nizzi e Giovanni Ticci: 220 páginas
L’assedio di Mezcali – Tex – Claudio Nizzi e Lucio Filippucci: 220 páginas
– La grande congiura – Maxi Tex – Claudio Nizzi e Giancarlo Alessandrini: 274 páginas

(Texto e imagens extraídos, com a devida vénia, do Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa das imagens, clique nas mesmas).

NOVOS (E ÚTEIS) ITENS TEXIANOS COM O SELO DA SERGIO BONELLI EDITORE

 Por José Carlos Francisco

Nestes novos tempos da Sergio Bonelli Editore capitaneada por Davide Bonelli, a editora italiana com sede em Milão está sempre pronta a enriquecer as colecções dos fãs e coleccionadores de Tex espalhados pelo mundo, lançando novos produtos de tempos em tempos, itens texianos produzidos em Itália mas que são imensamente cobiçados pelos coleccionadores de todo o mundo, até porque a Sergio Bonelli Editore também os vende para todo o planeta através do seu shop on-line, para deleite de todos!

Os próximos lançamentos deste tipo de itens extras terão lugar no Festival Lucca Comics & Games 2017, evento a decorrer de 1 a 5 de Novembro, e lá os fãs de Tex poderão encontrar — entre muitas outras novidades — três novas canecas dedicadas ao seu herói preferido, a partir de três magníficas artes do grande Aurelio Galleppini.

Canecas essas com um diâmetro de 8 cm, uma altura de 9,5 cm e feitas numa cerâmica de elevada qualidade, de modo a serem laváveis à máquina e podendo ser usadas em micro- -ondas, todas elas a um preço de 12,90 €.

Mas há mais novidades que podemos já anunciar: um duplo póster de Tex com arte de Claudio Villa! Terá o tamanho 70 x 100 cm, será a cores e com um preço de 6,00 €. Este duplo póster tem a particularidade de numa das faces formar um mosaico constituído por todas as capas da série regular, que irão compor uma nova imagem do herói mais famoso da BD western, com o selo do mítico Claudio Villa!

(Nota: texto e imagens extraídos, com a devida vénia, do Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa das imagens, clique nas mesmas)

REVISTAS DE BD DA MYTHOS EDITORA NÃO REGRESSAM A PORTUGAL EM 2017

 Por Nuno Pereira de Sousa [1]

A distribuição das revistas de Banda Desenhada da Mythos continua suspensa, pelo menos, até ao final do ano

Em Abril deste ano, a Mythos tinha comunicado que se encontrava oficialmente suspensa a exportação para Portugal das revistas brasileiras de banda desenhada Bonelli da editora, nomeadamente as diversas séries de TexJúlia Kendall – Aventuras de uma CriminólogaZagor.

Em causa, estavam problemas de exportação da editora brasileira, sendo referido que a mesma estava a realizar os devidos esforços para que a suspensão fosse temporária e que em Outubro deste ano pudessem chegar novamente às bancas nacionais os fumetti bonellianos.

A três semanas do início de Outubro, solicitámos a José Carlos Francisco, o representante da Mythos em Portugal, que nos fizesse um ponto da situação. As notícias não são boas. Não só as negociações com uma nova empresa de importação não se concretizaram, como a VASP, a anterior distribuidora das revistas da Mythos, tinha comunicado não estar interessada em trabalhar directamente com a editora. Já se pode afirmar, com toda a certeza, que não será ainda este ano que teremos o regresso de Tex, Zagor e Júlia aos quiosques portugueses, pese todo o esforço feito pela editora brasileira, assume José Carlos Francisco. A Mythos continua a envidar todos os esforços para ter novamente no nosso país as suas revistas, sobretudo para tentar satisfazer os seus leitores.

Com a notícia do início do processo de insolvência da Distrinews II, essa alternativa deixou de ser viável. A Distrinews II era, sem dúvida, uma grande possibi- lidade para esse regresso, mas agora também essa porta fechou, afectando a Mythos, mas acima de tudo muitas pequenas editoras portuguesas”, refere José Carlos. Mas a Mythos não desiste e está a tentar arranjar uma nova possibilidade, juntamente com as editoras que agora não têm quem distribua as suas revistas”.

Relativamente aos efeitos colaterais da insolvência da Distrinews II, cujas editoras por si servidas deixaram de ter distribuição assegurada, comenta que “devido à urgência das editoras portuguesas que ficaram sem distribuição, este assunto, de uma forma ou de outra, deverá ter que se resolver rapidamente. No entanto, é menos optimista no que toca às publicações da Mythos, ausentes há cinco meses dos pontos de venda de periódicos nacionais. Apesar da Mythos estar a envidar todos os esforços para tentar resolver o problema aqui em Portugal, não está fácil!, desabafa.

Durante estes cinco meses, os fãs bonellianos portugueses foram brindados com três edições nacionais, nomeadamente o livro Tex: Ouro Negro (editado pela Polvo), o sexto número da Revista do Clube Tex Portugal (auto-edição) e o livro Dylan Dog: Mater Morbi (editado pela Levoir na III Série das Novelas Gráficas).

Em nota de rodapé, relembra-se que recentemente a Polvo começou a ter distribuição das suas obras nos pontos de vendas de periódicos, a par da distribuição no canal livreiro, situação que é também afectada actual- mente pela suspensão de actividade da Distrinews II.

[1] (Texto publicado originalmente no blogue Bandas Desenhadas, em 9 de Setembro de 2017)

(Para aproveitar a extensão completa das imagens, clique nas mesmas).

“TEX GOLD” – A NOVA COLECÇÃO DA SALVAT (BRASIL)

Depois do período experimental, a Editora Salvat vai lançar (no Brasil) a coleção “TEX GOLD”, a partir de 15 de Setembro, quinzenalmente e sempre num dia certo da semana, sexta-feira. Pergunta inevitável: esta grandiosa colecção chegará também a Portugal?

“O Profeta Indígena”, de Nizzi e Mastantuono, 1º volume da colecção “Tex Gold”

A Editora Salvat, fundada em Barcelona em 1869, faz parte da multinacional francesa HACHETTE LIVRE e está presente em países de língua espanhola e portuguesa: Espanha, Portugal e América Latina (Brasil, Argentina, México, Chile, Peru). Há mais de meio século, a Editora Salvat comercializa em bancas de jornais produtos editoriais de qualidade. O seu catálogo inclui produtos com enfoque nas novas tendências e nos interesses dos leitores, centrando-se nos segmentos infantil, coleccionismo masculino e feminino, coleccionáveis de figuras, modelismo, histórias de banda desenhada e livros.

“O Cavaleiro Solitário”, de Nizzi e Kubert, 2º volume da colecção “Tex Gold”

Dentro de uma grande variedade de produtos, a Editora Salvat trabalha com prestigiosas e reconhecidas licenças como Marvel, Disney, Hello Kitty, Betty Boop, Astérix; e a partir de agora, também, no Brasil, com a mítica personagem dos fumetti italianos, criada em 1948 pela dupla Giovanni Luigi Bonelli e Aurelio Galleppini: TEX WILLER!

No próximo dia 15 de Setembro, sairá o primeiro tomo daquela que deverá ser a colecção definitiva de Tex Willer (60 volumes, todos a cores!). Com a particularidade de ter formato grande, capa dura, número variável de páginas, sendo a lombada da colecção formada por uma magnífica litografia da autoria de Giovanni Ticci, como podemos ver na imagem:

A bela lombada final da colecção “Tex”, com o selo da Salvat

Notícia e imagens respigadas, com a devida vénia, do Tex Willer Blog, onde os nossos leitores poderão encontrar informações mais detalhadas acerca desta magnífica colecção da Salvat, produzida pela Mythos Editora, que infelizmente poderá não estar à venda em Portugal. Sobre este assunto, do interesse de muitos coleccionadores portugueses, eis o que informa José Carlos Francisco no seu conceituado blogue do Tex (a ler com atenção): 

«Tendo em conta que colecções da Salvat originárias do Brasil vieram já a ser distribuídas em Portugal, como é o caso, por exemplo, da colecção oficial de graphic novels da Marvel, acreditamos que haverá a possibilidade de Tex Gold vir também para o nosso país, tendo até em conta que Tex é distribuído em Portugal desde 1971 e tem milhares de leitores e, inclusive, um Clube dedicado precisamente a Tex (que já pus à disposição da Salvat para o que for necessário) e que organiza eventos anuais, com a vinda de autores.

Mas como a Salvat portuguesa pode ainda não saber a força do Tex no nosso país, sugiro que todos os interessados em obter esta fantástica colecção contactem a editora, a pedir Tex Gold em Portugal. O e-mail de contacto é clientes@salvat.pt

Vamos lá, pessoal!!!!»

(Para aproveitar a extensão completa das imagens, clique nas mesmas).

NOVIDADES DA REVISTA DO CLUBE TEX PORTUGAL

A Revista do Clube Tex Portugal #6, EXCLUSIVA para sócios do clube, com lançamento previsto para este mês de Julho, além de colaborações de sócios contará também, como é habitual, com colaborações de grandes nomes do staff oficial de Tex, nomeadamente Massimo Rotundo, Fabio Civitelli, Alessandro Poli, Stefano Biglia, Moreno Burattini e Tino Adamo. Mas o destaque deste número vai sobretudo para a publicação de uma HISTÓRIA (oficial) DE TEX que nunca foi publicada a cores em nenhum país de língua portuguesa, um feito de NÍVEL MUNDIAL, já que por gentileza da Sergio Bonelli Editore e em especial do seu responsável maior, Davide Bonelli, a Revista Clube Tex Portugal #6 terá o GRANDE PRIVILÉGIO e a GRANDE HONRA de publicar, totalmente a cores e num excelente papel no formato A4, a história curta Morte nel Deserto (Morte no Deserto), escrita por Claudio Nizzi e desenhada por Giovanni Ticci e que foi publicada originalmente, em 1992, na revista Sorrisos e Canções da TV, da editora de Silvio Berlusconi, num suplemento chamado “Fumetti d’Estate” (Revistas de Verão), cuja capa reproduzia a última cena da história.

Primeira vinheta da história de Tex “Morte no Deserto”

Para fazer parte do Clube Tex Portugal — cujos estatutos podem ser consultados em http://texwillerblog.com/wordpress/?page_id=47999 — e usufruir de todos os brindes e regalias, entre os quais se inclui a revista do Clube, só tem de pagar uma jóia de inscrição de € 5,00 e uma quota mensal de € 2,00 (€ 2,50 para sócios não residentes em Portugal).

(Nota: texto de José Carlos Francisco, reproduzido com a devida vénia do Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa das imagens, clique nas mesmas)