OUTRO NÚMERO DO “FANDWESTERN” – COM A GRANDE SÉRIE MATT MARRIOTT

Continuando a manter uma regularidade e uma periodicidade sem falhas, José Pires lançou este mês mais três volumes das séries que tem actualmente em publicação, com destaque para Terry e os Piratas, a obra-prima de Milton Caniff, cuja reedição integral abrangerá 25 números do FandClassics, cada um deles com mais de 70 páginas. O preço, no entanto, não varia, fixando-se nos 10 euros.

Outra série digna de relevo e que José Pires, fã incondicional do seu desenhador, o genial Tony Weare, tenciona também reeditar na íntegra (tendo já publicado mais de 40 episódios), é o magnífico western inglês Matt Marriott, bem conhecido dos leitores do Mundo de Aventuras, que foi a primeira revista portuguesa de banda desenhada a apresentá-lo ao público, embora com outro nome, no ano já distante de 1958.

O episódio que José Pires agora recuperou, com 96 tiras, foi publicado no Mundo de Aventuras nº 1201, de 28/9/1972, com o título “A História de Zinc Bill”. Os revisores do MA deviam andar muito distraídos, pois este título, obviamente, é uma gralha. Trata-se do 47º episódio da série, com o título original Zincville Story.

Estes fanzines estão à venda na Loja de José Manuel Vilela, Calçada do Duque, 19-A, 1200-155, Lisboa, mas podem também ser encomendados ao editor, por quem não morar na capital, bastando escrever para o e-mail gussy.pires@sapo.pt.

JOHN WAYNE – O ETERNO “COWBOY”

Durante uma longa carreira, John Wayne (1907-1979) interpretou dezenas de filmes, mas o western foi sempre o seu género preferido, porque simbolizava os ideais dos pioneiros que desbravaram o Oeste americano — e de que ele próprio se tornaria também um símbolo, com as suas personagens fortes, heróicas, maiores do que a vida, que não tardaram a transformá-lo numa lenda do cinema, sobretudo depois do seu primeiro grande êxito em “Stagecoach” (“Cavalgada Heróica”), filme realizado por John Ford em 1938.

John Wayne (nascido, aliás, com o nome de Marion Michael Morrison) já era, nessa altura, uma “estrela” dos filmes da série B, produzidos por estúdios de pequena dimensão como a Republic Pictures, mas ainda não conseguira alcançar o estatuto de vedetas como Tom Mix, Ken Maynard, Buck Jones, Harry Carey ou Hoot Gibson, os autênticos reis do western.

Foi John Ford, realizador também com uma longa carreira, experimentado tanto no western como noutros géneros, que o guindou ao cume da fama, ao escolhê-lo (contra a vontade dos próprios produtores) para o papel do pistoleiro Ringo Kid, em “Stagecoach”, filme que revitalizou o western, demarcando-se pelo seu argumento e pelo seu nível técnico e artístico das películas da série B, de curta metragem e baixo orçamento.

A associação entre Ford e John Wayne — cujo novo nome foi criado, segundo reza a lenda, pelo realizador Raoul Walsh, com quem Marion Morrison trabalhou no épico “The Big Trail”, já com esse nome — durou muitos anos, cimentando uma amizade em que partilhavam o mesmo amor pelos grandes espaços abertos do Oeste americano e a mesma fidelidade aos ideais dos pioneiros, raiz dos seus másculos dogmas políticos conservadores, que, no caso de John Wayne, o fizeram aderir, de alma e coração, ao partido republicano.

A história curta que se segue, reproduzida do Mundo de Aventuras nº 398 – 2ª série, de 28 de Maio de 1981, evoca, pelo traço de Jarry (colaborador do Tintin belga), os principais passos da triunfante carreira cinematográfica de John Wayne e alguns dos filmes que, sob a direcção de John Ford e Howard Hawks, lhe deram um lugar eterno entre os grandes nomes da 7ª Arte.

Nota: a popularidade de John Wayne como ícone do western valeu-lhe ser transformado também em herói da Banda Desenhada, com direito a revista própria, de longa duração, onde colaboraram alguns dos melhores desenhadores americanos dos anos 1950/60, como por exemplo Al Williamson e Frank Frazetta.

Jorge Magalhães

MAIS UM NÚMERO DO “FANDWESTERN”

Imparável, cheio de energia e de uma regularidade impressionante, na sua actividade de faneditor, José Pires lançou este mês mais dois números dos seus excelentes fanzines Fandclassics e Fandwestern, o primeiro dedicado, na fase actual, à famosa série Terry e os Piratas, criada pelo mestre Milton Caniff em 1934, e que neste fanzine irá ter reprodução integral, dividida por 24 volumes, com 70 páginas cada. Um esforço digno de apreço, tanto mais que se trata do melhor período desta série, quase inédito no nosso país, e que José Pires conta divulgar no espaço de dois anos!

Quanto ao Fandwestern, fanzine mais antigo e de prestigiosas tradições, publica neste número outro episódio da série fetiche de José Pires: Matt Marriott, a inolvidável criação de Tony Weare (desenhos) e James Edgar (argumento), estreada entre nós no Mundo de Aventuras nº 437, de 2/1/1958, com o nome do herói alterado para Calidano, o Justiceiro.

O certo é que esse bizarro nome pegou e a série fez carreira no Mundo de Aventuras e noutras publicações da mesma editora (onde sofreu “tratos de polé”, devido ao pequeno formato dessas revistas), até ter direito a aparecer com o seu verdadeiro título, quase uma década depois, no nº 845 do Mundo de Aventuras.

Diga-se desde já que este número do Fandwestern tem um interesse acrescido, pois apresenta um dos últimos episódios desenhados por Tony Weare, na sua maioria ainda inéditos entre nós. Mais uma performance de José Pires que, no caso de Matt Marriott, já anunciou também a sua publicação integral, em 68 volumes, editando a propósito (para os leitores mais curiosos) um catálogo com todas as capas desta série, além das primeiras tiras e dos títulos originais dos 68 episódios que constituem a colecção.

(Nota: ver mais informações sobre os fanzines publicados por José Pires noutros blogues da nossa Loja de Papel: O Gato Alfarrabista, A Montra dos Livros e O Voo d’O Mosquito).

“INOCENTE DE QUALQUER CRIME!”

Página ilustrada por Ruggero Giovannini (1922-1983) e publicada na contracapa do Mundo de Aventuras nº 856, de 17 de Fevereiro de 1966.

 BREVE BIOGRAFIA DE GIOVANNINI

Giovaninni, um dos “monstros sagrados” do fumetto italiano, mestre do claro-escuro, com um grande domínio do movimento e da técnica narrativa, mas sempre insatisfeito, em busca da síntese gráfica e do dinamismo na estilização, iniciou a sua prolífica carreira ainda muito jovem nas páginas do semanário católico Il Vittorioso, com histórias de todos os géneros (excepto a ficção científica), que nas suas mãos pareciam adquirir uma estética nova, realçada pelo vigor expressionista do traço.

Muitas delas figuram também no sumário do Cavaleiro Andante (incluindo Álbuns e Números Especiais) e de outras revistas portuguesas, como Mundo de Aventuras, Condor, Titã, Colecção Alvo, Condor Popular — onde foi igualmente vasta a sua produção de westerns dignos de antologia, como “As Grandes Águas”, “A Ultima Fronteira”, “A Vingança de Mocassin Rosso”, “Sombras Selvagens”, “Águia Veloz”, “Em Nome da Lei”, entre outros.

Influenciado pelo estilo de alguns desenhadores americanos, sobretudo Will Gould, Frank Robbins e Milton Caniff, Giovaninni distinguiu-se entre os autores de fumetti da sua geração pela facilidade em retratar ambientes históricos, género em que viria a especializar-se, tanto no Il Vittorioso como em revistas inglesas, para as quais começou a trabalhar nos anos 60, produzindo inúmeras criações com um traço sempre estilizado e a sua refinada técnica do preto e branco.

Entre as suas “coroas de glória” desse período destacam-se as adaptações de vários clássicos literários, como Ben-Hur, Os Três Mosqueteiros e O Último dos Moicanos, e em particular a série Olac, o Gladiador, onde ficou gravada a sua mestria no estilo realista e nas narrativas de temática histórica. Olac foi um dos heróis mais célebres da BD inglesa e fez também as delícias dos leitores do Mundo de Aventuras, que publicou vários episódios.

Durante os últimos anos de vida, Giovaninni colaborou no Il Giornalino, outra célebre revista italiana, para a qual produziu excelentes séries como Capitan Erik, Ricky e I Biondi Lupi del Nord. Morreu prematuramente na sua cidade natal, Roma, em 5 de Março de 1983.

Aqui têm três capas d’O Falcão alusivas a histórias de cowboys que Giovaninni desenhou nos anos 60 e publicadas originalmente na revista inglesa Thriller Picture Library.

MAIS UM NÚMERO DO “FANDWESTERN” ESPECIAL DEDICADO À SÉRIE MATT MARRIOTT

Continuando a esforçada saga de reeditar na íntegra uma das melhores séries de cowboys da BD europeia, criada em 1955 por Tony Weare (desenhos) e Reg Taylor (argumentos) — a quem se juntou pouco depois outro notável argumentista, James Edgar —, o Fandwestern, fanzine editado por José Pires em formato “big size” (à italiana), apresenta este mês outro magnífico episódio desta incontornável série inglesa, com o título O Pastor Zinnerman.

À laia de curiosidade histórica, recorde-se que o referido episódio foi publicado pelo Mundo de Aventuras na década de 1970, quando esta revista atravessava uma das suas fases mais comerciais, embora em detrimento da qualidade na reprodução do respectivo material, pois o formato reduzido obrigava a cortes, montagens e supressões das tiras — por seu turno, com textos mal traduzidos e legendados —, prática que, aliás, se generalizou infelizmente a outros títulos editados, nessa época, pela Agência Portuguesa de Revistas.

Tudo isso procurou José Pires remediar, por puro amor à arte de Tony Weare, nas suas reedições da série Matt Marriott, feitas, nalguns casos, a partir de publicações estrangeiras ou de material facultado por um coleccionador português, cujo importante acervo é constituído por tiras originais e episódios publicados em jornais ingleses.

Aqui ficam, por gentileza de José Pires, a capa e duas páginas do Fandwestern com o episódio em causa — que no Mundo de Aventuras nº 1082 foi crismado (como documenta a respectiva capa, ilustrada por Carlos Alberto Santos) com o título O Estranho Pastor

NOVELISTAS PORTUGUESES: “O NATAL DE TUKAN MACKENZIE” (por Edgar Caygill)

edgar-caygillApresentamos hoje nesta rubrica — iniciada com o original de Roy West (Jorge Magalhães) “Sendas Apaches” — um conto de Edgar Caygill, pseudónimo adoptado por Roussado Pinto no início dos anos 50 e que se tornaria bastante popular entre os leitores do Mundo de Aventuras e de outras publicações juvenis — mas que este prolífico autor também usou em antologias de contos, como o Edgar Caygill Magazine, e em livros policiais e de cowboys, editados por conta própria ou por editoras onde trabalhou, como a Fomento de Publicações e a Íbis.

O conto que seleccionámos na sua vasta obra é um western de tema natalício e foi respigado do Jornal do Cuto nº 172 (1/12/1977), embora a publicação original remonte ao Mundo de Aventuras nº 71 (1ª série), de 21/12/1950, onde foi ilustrado por Vítor Péon. Curiosamente, surgiu também em reedição, pela primeira vez, no Jornal do Cuto nº 25 (22/12/1971), cabendo dessa vez a Jobat (José Baptista) a tarefa de ilustrador.

No caso presente, as ilustrações são de Carlos Alberto Santos, um notável artista que legou ao Jornal do Cuto, ao Mundo de Aventuras e a outras publicações um número quase incalculável de trabalhos de grande valia, a cores e a preto e branco. Resta acrescentar que o texto desta 3ª versão foi revisto por Roussado Pinto, que decidiu manter o pseudónimo da primeira, mesmo depois de ter criado outro ainda mais famoso: Ross Pynn.

conto-edgar-caygill-1-copy

conto-edgar-caygill-2-copy

O CAVALO DO OESTE – 1

o-cavalo-do-oeste-1169O que é o cavalo do Oeste? Não se trata propriamente de uma designação de raça, uma vez que o cavalo do Oeste pode ser um Árabe, um Saddle ou um Throughbred… ou até uma mistura dos três. É sempre treinado para trabalhar com sela, quer se destine a lidar com o gado ou a exibir-se em «rodeos». As suas pernas curtas permitem-lhe dar uma volta completa sobre uma moeda de dólar. A extraordinária resistência física do cavalo do Oeste é devida, em grande parte, aos índios e aos conquistadores espanhóis do Novo Mundo.

No ano de 1495 chegaram à América vinte soldados espanhóis de cavalaria com a missão de reprimir uma revolta na ilha Hispaniola. Os seus fogosos cavalos tinham cinquenta por cento de sangue árabe e portaram-se de tal modo que, a partir de então, todos os navios espanhóis transportavam um pequeno destaca­mento de cavalaria. Assim, durante os séculos seguintes, milhares e milhares de cavalos saíram do México para o que é hoje a Cali­fórnia e da Florida para as Carolinas do Norte e do Sul.

Foi então que os índios americanos entraram em cena com o seu valioso contributo. Nos fins do século XVII, mais de uma dú­zia de tribos utilizava os cavalos espanhóis, treinando-os e espalhando-os por todo o território, desde o Texas até à fronteira canadiana. Ao tempo da Guerra Civil existiam mais de dois milhões de cavalos selvagens. Hoje, porém, já não se podem ver os fogosos alazões selvagens correndo livremente pela planície, de narinas frementes e crinas ao vento. Com a colonização do Oeste pelos pioneiros, a era dos cavalos selvagens morreu juntamente com a dos peles-vermelhas.

A abrir esta nova rubrica do Era Uma Vez o Oeste, dedicada aos bravios mustangs que continuam a fazer parte da mitologia do western, tanto no cinema como na BD, apresentamos um episódio da magnífica série Firehair (Cabelos de Fogo), criada por Joe Kubert, um dos maiores mestres da 9ª Arte, na revista Showcase, da DC Comics. A mesma série foi parcialmente publicada no Brasil (revista Juvenil Mensal, da Editora Brasil-América), e em Portugal no Mundo de Aventuras (2ª série).

A má impressão deste episódio no MA fez-nos optar pela versão brasileira, dada à estampa no Juvenil Mensal nº 17 (Março de 1973) — em complemento da versão original, publicada no nº 85 da referida revista Showcase (Setembro de 1969).

o-cavalo-do-oeste-firehair-3-branco

o-cavalo-do-oeste-firehair-4-branco

o-cavalo-do-oeste-firehair-5-branco

o-cavalo-do-oeste-firehair-6-branco