A REVISTA Nº 7 DO CLUBE TEX PORTUGAL TERÁ DUAS CAPAS DE STEFANO BIGLIA

As duas capas de STEFANO BIGLIA para a revista nº 7 do Clube Tex Portugal

Por José Carlos Francisco

DEZEMBRO marca o regresso da revista do Clube Tex Portugal, um projecto feito por sócios e dirigido a todos os texianos e apreciadores da banda desenhada, focando os mais variados temas em redor de Tex e do western em geral.

Este sétimo número terá 54 páginas (um novo recorde, se tivermos em conta que não trará nenhuma história de Tex e que mostra bem o crescimento contínuo da revista) e apresenta novamente DUAS versões para a sua capa, desta vez do magnífico desenhador Stefano BIGLIA. Em 2015, os leitores portugueses tiveram oportunidade de o conhecer devido à sua presença na 2ª Mostra do Clube Tex Portugal, realizada, como sempre, em Anadia, onde foi uma das estrelas presentes no evento português.

Stefano Biglia respondeu prontamente às nossas solicitações, com informações, sugestões e com o envio de DOIS desenhos. A capa principal trará Tex Willer e Kit Carson cavalgando na neve, uma belíssima e apropriada capa invernal que coincide com o lançamento da revista, mas com duas belas ilustrações optou-se novamente — tal como aconteceu com as revistas nº 2 (que teve duas capas de Fabio Civitelli), nº 3 (que teve duas capas de Luca Vannin), nº 4 (que teve duas capas de Enrique Breccia), nº 5 (com duas capas de Maurizio Dotti) e nº 6 (com duas magníficas capas de Massimo Rotundo) — por fazer a revista com duas capas diferentes, uma clássica com Tex e Kit Carson  cavalgando na neve em nossa direcção, numa magnífica paisagem invernal, e uma alternativa, com grande impacto visual, onde Tex e Dinamite vêm também em direcção ao leitor.

Capa principal da revista nº 7 do Clube Tex Portugal

Neste sétimo número, para além das magníficas capas de Stefano Biglia, destaque ainda para as colaborações EXCLUSIVAS de outros consagrados autores italianos: Leomacs, Alessandro Nespolino, Massimo Rotundo e Moreno Burattini (que nos apresenta o Tex de Guido Nolitta).

No sumário assinalam-se ainda, para além dos textos do director Mário João Marques, com um extenso dossier dedicado ao Tex editorial, em 2017, e também um outro texto dedicado a Galep (que inclui uma homenagem desenhada por António Lança-Guerreiro, testemunhos EXCLUSIVOS de Moreno Burattini, Pasquale Frisenda, Pasquale Del Vecchio, Walter Venturi, Bruno Brindisi, Maurizio Dotti, Lucio Filippucci, Stefano Biglia e Andrea Venturi, culminando com um artigo assinado pelo Gruppo Galep e pela Fernanda Martins), os regressos de José Carlos Francisco (que nos fala dos kalkitos de Tex), de Jesus Nabor (que escreve sobre horror e magia no velho Oeste do Ranger), de Sandro Palmas (que nos apresenta Stefano Biglia, um talento puro) e de Júlio Schneider (que escreve sobre o telefone, o dólar e a cerveja no mundo de Tex).

Teremos também algumas estreias: do consagrado jornalista brasileiro Thiago Gardinali (que assina oito páginas, onde aborda a sua peregrinação pelo universo do fumetto italiano), do Carlos Almeida (que nos escreve sobre Ouro Negro, a aventura que levou Leomacs ao topo do mundo) e do Ricardo Leite (que aborda a galeria Toybroker).

Capa variante da revista nº 7 do Clube Tex Portugal

Nota do Clube Tex Portugal a todos os sócios:

Como habitualmente, os sócios do Clube Tex Portugal (com excepção dos sócios menores) COM AS QUOTAS DO MÊS DE DEZEMBRO PAGAS, terão direito a receber gratuitamente um exemplar da revista. Dado que este 7º número será publicado com duas versões da capa, o exemplar gratuito será o da versão com Tex e Kit Carson a cavalgar na neve.

Adicionalmente, sem qualquer limite, os sócios podem adquirir mais exemplares da revista, quer da versão oficial quer da versão alternativa, sendo o preço unitário de 10 euros.

Deste modo, todos os sócios que desejem adquirir exemplares da revista, devem informar o Clube Tex Portugal, impreterivelmente até ao dia 4 de Dezembro, escrevendo para José Carlos Francisco (josebenfica@hotmail.com), indicando o número de exemplares pretendido para cada versão da capa e procedendo ao respectivo pagamento na conta do Clube Tex Portugal ou através de paypal, enviando o comprovativo desse mesmo pagamento.

  • Pagamentos internacionais por transferência bancária  devem ser feitos com todas as despesas a serem suportadas pelo ordenador, sem qualquer dedução no valor a receber pelo Clube, devendo ser creditada a conta PT50003600009910590434664 em nome do Clube Tex Portugal na Caixa Económica Montepio Geral – código swift: MPIOPTPL;
  • Pagamentos nacionais por transferência bancária devem ser feitos para o IBAN PT50003600009910590434664
  • Pagamentos por Paypal devem ser efectuados através do e-mail cacem.moreira@gmail.com com todas as despesas a serem suportadas pelo ordenador, sem qualquer dedução no valor a receber pelo Clube.

Ilustração exclusiva de ALESSANDRO NESPOLINO para a revista nº 7 do Clube Tex Portugal

A contracapa da revista nº 7 do Clube Tex Portugal terá uma ilustração de LEOMACS, dedicada aos amigos do Clube Tex Portugal

(Post reproduzido, com a devida vénia, do Tex Willer Blog. Clicar duas vezes sobre as imagens para as ampliar).

Advertisements

MORREU RENZO CALEGARI

O homem que desenhou
 “A Balada de Zeke Colter”

Renzo Calegari (5 de Setembro de 1933 – 5 de Novembro de 2017)

Por Mário João Marques

Esta é uma das notícias que nunca queremos dar, mas que a lei da vida a isso nos obriga. Renzo Calegari, grande desenhador do fumetto italiano, faleceu no passado domingo, dia 5, aos 84 anos, deixando a banda desenhada mais pobre. Artista com duas grandes paixões, o desenho e a História, Calegari deixou bem patente o seu talento em 54 anos de uma intensa carreira, onde dedicou particular atenção ao Oeste americano, compondo páginas de verdadeira literatura desenhada.

Nascido em 1933, em Bolzaneto (Génova), Calegari começou a desenhar em 1955 para o estúdio de Rinaldo Dami, iniciando o seu percurso ao lado de autores como Gino D’Antonio em El Kid ou I Tre Bill, ou Gianluigi Bonelli em Big Davy. A partir de 1964 assina uma das suas obras primas, La Storia del West, em colaboração com grandes autores, entre eles Gino D’Antonio, Sergio Tarquinio e Renato Polese, onde vai contar a longa saga da família MacDonald durante o período dos primeiros colonos no Oeste americano.

Deixa a banda desenhada em 1969 para integrar o movimento de 68, regressando à sua paixão na década de 70 com outra obra-prima, a mini-série Welcome to Springville, escrita por Giancarlo Berardi. Para a Orient Express e Il Giornalino realiza a série Boone e Gente di Frontiera, até chegar a Tex, desenhando La Balata di Zeke Colter (auxiliado por Stefano Biglia, hoje um dos autores de ponta de Tex, e Luigi Copello), uma aventura escrita por Claudio Nizzi e publicada no Almanacco del West 1994.

Em 2004, desenhou uma aventura bélica para Mister No, intitulada Storia di um Soldato e escrita por Michele Masiero. Finalmente, em 2007, desenhou para a Sergio Bonelli Editore Bandidos!, um western escrito por Gino D’Antonio.

Com o seu talento e a sua paixão, Calegari exprimiu cultura nos seus trabalhos como poucos conseguem fazer, mas nos últimos anos da sua vida passou por momentos difíceis, sobretudo após o falecimento da sua mulher, vivendo carências a nível económico e humano, facto que, infelizmente, parece ser característico de alguns dos grandes artistas nas suas mais variadas atividades.

Os apelos em seu auxílio fizeram-se sentir, nomeadamente para que este grande autor fosse incluído na Lei Bacchelli, como efetivamente veio a acontecer, um fundo a favor de cidadãos ilustres, importante não só do ponto de vista material, mas também como sinal de reconhecimento público e de solidariedade pelo seu empenho e carreira. Um artista que nunca renegou os seus ideais e que ao longo da sua vida sempre lutou por uma sociedade mais livre e mais justa, por isso, Renzo Calegari foi sempre alguém que viveu para além das suas belas pranchas.

Morreu no passado domingo, aos 84 anos, poucos dias após a sua carreira ter sido reconhecida com o prémio Turio Copello, instituído pela sociedade económica de Chiavari e que se destina a premiar a criatividade dos artistas locais.

(Fonte: Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa das imagens, clique nas mesmas).

2ª EDIÇÃO DA (ESGOTADÍSSIMA) REVISTA # 1 DO CLUBE TEX PORTUGAL TERÁ LANÇAMENTO EM OUTUBRO

 FAÇA JÁ A SUA RESERVA!

Por José Carlos Pereira Francisco

Capa (realizada por Andrea Venturi) da 2ª edição da revista nº 1 do Clube Tex Portugal

Devido a dezenas de pedidos de sócios do Clube Tex Portugal, em particular dos inúmeros novos associados dos últimos dois anos, que quando se associaram ao Clube Português dedicado ao Ranger criado por G. L. Bonelli e Aurelio Galleppini em 1948, já não tinham à sua disposição a mítica revista nº 1 do Clube, lançada em Novembro de 2014 e que se esgotou completamente ao fim de pouco tempo, a Direcção do Clube Tex Portugal decidiu fazer uma 2ª edição da revista #1 de modo a satisfazer todos os pedidos, permitindo assim que todo e qualquer sócio possa ter na sua colecção a edição que deu início a um projecto único e hoje em dia muito valorizado, tanto que fomos sabedores que já houve exemplares da revista #1 que foram vendidos (por sócios que na época de lançamento compraram mais do que um exemplar) por valores a rondar os 25 euros.

A 2ª edição da revista nº 1, tem lançamento marcado para Outubro deste ano, ou seja, já no próximo mês, e somente poderá ser adquirida por sócios do Clube, podendo cada sócio adquirir quantos exemplares desejar, ao preço de 10 euros por cópia. Atendendo ao facto desta ser uma Edição Especial e também ao facto de ter uma tiragem menor do que aquando das revistas da 1ª edição, fazendo com que o valor a pagar à gráfica seja mais elevado, o Clube Tex Portugal NÃO ARCA COM AS DESPESAS DE ENVIO desta 2ª edição, estando todavia disponível para entregar a(s) revista(s) em mãos quando houver essa possibilidade, de modo a evitar o pagamento dos portes. Assim sendo, para além do valor da(s) revista(s) cada sócio terá de arcar com as despesas postais, acrescentando ao valor da revista os valores que se seguem e que são para Portugal, Europa (Espanha, Itália, Holanda, etc.) e Resto do Mundo (Brasil, Angola, Moçambique, Índia, etc.):

Portugal: 1 ou 2 revistas 1,75€
Europa: 1 revista  2,80€2 revistas 4,30€
Resto do Mundo: 1 revista 4,80€2 revistas
  7,50€

O editorial da revista nº 1 do Clube Tex Portugal

De modo a salvaguardar o valor das revistas originais, esta reimpressão da revista #1 terá a menção na capa de que se trata de uma 2ª edição, assim como trará igualmente na capa o mês de Outubro de 2017 e não Novembro de 2014, conforme se pode já constatar na capa (ainda provisória) que mostramos na abertura deste texto. Serão as duas únicas alterações, mantendo-se religiosamente igual toda a restante revista de 32 páginas.

Ilustração de Stefano Biglia para a revista nº 1 do Clube Tex Portugal

Esta 2ª edição da revista do Clube Tex Portugal mostra a solidificação do nosso projecto, que crescendo e fortalecendo-se a cada novo número faz com que os novos sócios desejem adquirir os primeiros números; e prova do cada vez maior sucesso da revista portuguesa que conta em cada número com participações dos mais renomados autores de Tex, é que para além da revista #1, também as edições #2, #3 e #4 estão completamente esgotadas, pelo que em Abril de 2018, aquando da 5ª Mostra do Clube Tex Portugal, a realizar nos dias 29 e 30 de Abril, iremos ter o lançamento da 2ª edição da revista #2.

Para além dos sócios que ainda não tenham a revista #1, temos a mais firme convicção de que muitos sócios que a possuam, irão também tentar adquirir a 2ª edição, por se tratar no fundo de uma revista diferente e porque os coleccionadores são assim mesmo, como provam os mais diversos texianos que coleccionam a revista Tex do Brasil, não somente da 1ª edição, mas também da 2ª edição!

Deste modo, todos os sócios que desejem adquirir exemplares da revista #1, 2ª edição, devem informar desde já (e impreterivelmente até ao dia 30 deste mês) o Clube Tex Portugal, escrevendo para José Carlos Francisco (josebenfica@hotmail.com), indicando o número de exemplares pretendido e procedendo ao respectivo pagamento (inclusive dos portes) na conta do Clube Tex Portugal ou através de paypal, enviando o comprovativo desse mesmo pagamento.

Pagamentos internacionais por transferência bancária  devem ser feitos com todas as despesas a serem suportadas pelo ordenador, sem qualquer dedução no valor a receber pelo Clube, devendo ser creditada a conta PT50003600009910590434664 em nome do Clube Tex Portugal na Caixa Económica Montepio Geral – código swift: MPIOPTPL;

Pagamentos nacionais por transferência bancária  devem ser feitos para o IBAN PT50003600009910590434664

Pagamentos por Paypal devem ser efectuados para o e-mail cacem.moreira@gmail.com com todas as despesas a serem suportadas pelo ordenador, sem qualquer dedução no valor a receber pelo Clube.

Falando da revista #1 em si, para quem ainda não a possui, informamos que é TOTALMENTE a CORES, tem o FORMATO A4 e conta com textos de Mário João Marques (que escreve sobre Pasquale Del Vecchio e também Leituras e Apontamentos), Júlio Schneider (Hola, Amigo), Carlos Moreira (1º Convívio do Clube Tex Portugal), José Carlos Francisco (1.ª Mostra do Clube Tex Portugal), Jorge Magalhães (Como eu encontrei Tex Willer em Barcelona), Jorge Machado-Dias (Porque não gosto de westerns), Sérgio Madeira de Sousa (Giovanni Ticci – O elo), Pedro Cleto (A cor em Tex: Um longo caminho a percorrer) e Paulo Guanaes (Da indiferença ao sucesso estrondoso) e DESENHOS EXCLUSIVOS de ANDREA VENTURI, STEFANO BIGLIA e MAURIZIO DOTTI!

Estudo de Stefano Biglia para o verso da contracapa da revista nº 1 do Clube Tex Portugal

Para uma melhor apresentação desta importante iniciativa dirigida por Mário João Marques, o director da revista, e destinada aos sócios do Clube, damos a conhecer de seguida o editorial deste primeiro número:

EDITORIAL

Em Agosto de 2013, durante uma tertúlia texiana organizada quando do 18º Salão Internacional de Banda Desenhada de Viseu, um grupo de amigos teve a oportunidade de formalizar a criação de um clube que pudesse fomentar o convívio e a troca de ideias sobre Tex. Idealizado uns meses antes, a ocasião proporcionada e a presença inspiradora de Andrea Venturi, desenhador convidado para o Salão, serviram assim de catalisadores, permitindo firmar a criação do Clube Tex Portugal.

A revista que agora está nas vossas mãos é um objectivo a que nos propusemos desde a primeira hora, um instrumento privilegiado que permite divulgar, aprofundar e sobretudo homenagear um grande herói e uma grande série que, ano após ano, se vem batendo pelos ideais da justiça e da honra, unindo muitos em redor de valores infelizmente cada vez mais raros.

Devidamente autorizada pela Sergio Bonelli Editore, que desde o início nos concedeu a honra do seu apoio e do seu carinho, a revista é o trabalho de muitos e que nos enche de orgulho, representando o culmi- nar de um primeiro ano do Clube pleno de actividades e de sucesso. Todos são convidados a participar, apresentando trabalhos sobre Tex, o seu mundo, as suas personagens, os seus autores. Queremos fomentar o convívio, desejamos divulgar a personagem, ansiamos que apreciem e possam retirar o mesmo prazer que todos os que colaboraram neste primeiro número tiveram na sua preparação e elaboração.

Este primeiro número conta com artigos de José Carlos Francisco, Sérgio Madeira de Sousa, Pedro Cleto, Jorge Magalhães e Mário João Marques, assim como com um pequeno texto escrito por Júlio Schneider, em jeito de homenagem à amizade em torno de Tex. Mas outros, de uma forma ou de outra, deram o seu grande contributo, permitindo que o projecto pudesse ver a luz do dia. Carlos Moreira, Hernâni Portovedo, Orlando Silva, António Guerreiro, Jorge Machado Dias, Dorival Lopes (e a Mythos), Gianni Petino e todas as mulheres texianas, foram baluartes fundamentais. A todos o Clube Tex Portugal agradece!

Apesar desta paixão, nada teria sido possível sem o apoio dado pela Sergio Bonelli Editore, que não cansamos de sublinhar, particularmente Davide Bonelli e Mauro Boselli, a quem o Clube Tex Portugal agradece eternamente. E é também um enorme motivo de orgulho poder contar, na capa deste primeiro número, com um desenho exclusivo de um grande talento, Andrea Venturi. Um grande desenho de um grande desenhador, desde o início ao nosso lado. Grazie mille Andrea!

Leiam, releiam, comentem, sugiram, pois a participação de todos é fundamental para juntos podermos fazer cada vez mais e melhor. Sem qualquer presunção, humildemente queremos alimentar o sonho e a paixão.

Clube Tex Portugal

 Ilustração a preto e branco de Andrea Venturi para a capa da edição nº 1 da revista do Clube Tex Portugal

(Texto e imagens extraídos, com a devida vénia, do Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa das imagens, clique nas mesmas)

COMENTÁRIO À REVISTA DO CLUBE TEX PORTUGAL

Ilustração de Massimo Rotundo

Texto: Jorge Magalhães – Foto: Catherine Labey

Há poucas semanas recebi a visita do Mário João Marques, um dos mais dinâmicos elementos do Clube Tex Portugal e director da revista destinada em exclusivo aos seus sócios, que se publica semestralmente desde finais de 2014. O Mário Marques, num gesto de extrema gentileza, veio de propósito a Cascais para me entregar a revista, acedendo ao meu pedido de não a enviar pelo correio, pois chegaria certamente em mau estado às minhas mãos, como já aconteceu da última vez.

Tive, então, a oportunidade, sempre grata para um fã do Clube Tex Portugal, de trocar algumas impressões com o Mário sobre Tex e outros assuntos relacionados com o Clube e os nossos gostos comuns, e de expressar a minha primeira opinião sobre a revista, depois de a folhear com o natural entusiasmo de leitor e colaborador desde a primeira hora (se bem que neste número tenha feito “gazeta”).

Claro que o que mais me agradou à primeira vista foi a magnífica capa de Massimo Rotundo escolhida para a edição corrente, sem dúvida uma das melhores, senão a melhor, desta primeira série de seis números. A edição extra tem também uma capa de superior qualidade do mesmo artista italiano, mas a primeira é verdadeiramente apelativa, um trabalho que decerto ficou (e ficará) na retina de muitos leitores.

Ilustração de Massimo Rotundo (capa extra)

Prometi ao Mário Marques durante a nossa conversa, infelizmente breve — pois ele tinha outras revistas para entregar —, que lhe daria dentro de pouco tempo uma opinião mais formal sobre este número, com um total de 56 páginas e que inclui no seu sumário (como cereja em cima do bolo) uma história a cores desenhada pelo mestre Giovanni Ticci!

Há dias o Mário escreveu-me para me lembrar a promessa, perguntando-me se já acabara de ler a revista. Respondi-lhe que tinha começado logo pela história de Tex, com 12 páginas escritas pelo Claudio Nizzi (que infelizmente já se retirou da série), e que podia sintetizar a minha opinião numa frase: “Este número é um autêntico luxo gráfico!”. Pelo papel, pela impressão, pelo número de páginas e sobretudo pela qualidade das ilustrações, com destaque naturalmente para a história curta com o dinâmico traço de Ticci, intitulada “Morte no Deserto”, e para a deslumbrante capa do Massimo Rotundo, que como pintura de temática “western” (e texiana) é do melhor que tenho visto.

Página de Giovanni Ticci

Quanto aos textos, deixei para o fim o do Moreno Burattini, pois a personagem de que ele trata, o diabólico Mefisto, não figura entre as minhas favoritas. Nunca gostei de histórias que misturam o “western” com o fantástico, como era tanto do agrado de Gianluigi Bonelli e que muitos leitores, bem sei, também adoram. Mas eu não… Para mim, “western” é “western” e terror é terror, dois géneros que não parecem feitos um para o outro. Claro que isso não me impediu de apreciar o artigo do Burattini, porque ele é um dos maiores especialistas em temas texianos e as suas abordagens são sempre esclarecedoras.

Li também com muito agrado (para dizer a verdade, ainda com mais prazer!) o artigo do Mário Marques dedicado ao ilustre mestre Giovanni Ticci, pois o Mário é outro “barra” nestas matérias e tem uma capacidade de análise que se refina de artigo para artigo. Dos restantes textos deste número destaco também o de Sandro Palmas sobre Massimo Rotundo, que é realmente um grande senhor da Banda Desenhada e se adaptou muito bem ao universo texiano no seu primeiro “western” para a Bonelli, “Tempestade sobre Galveston” (já publicado em Portugal pela Polvo Editora), superando garbosamente as dificuldades da tarefa e a comparação com o trabalho de outros mestres.

Ilustração de Massimo Rotundo

Ainda quanto aos textos — por autores habituais na revista, além dos já citados, como Jesus Nabor Ferreira, João Miguel Lameiras, Jorge Machado-Dias, José Carlos Francisco, e o estreante Tino Adamo —, todos versam temas interessantes e estão bem ilustrados. É pena que, para quebrar a harmonia e a homogeneidade do conjunto, apareçam no artigo do director Mário Marques imagens muito pequenas, reduzidas a uma coluna, ainda por cima tratando-se de páginas de BD. A duas colunas ainda vá que não vá, pois podem distinguir-se os pormenores do desenho e até as legendas, mas a uma coluna fica tudo demasiado pequeno, muito esbatido e pouco visível.

Também na pág. 34, última do mesmo artigo, há imagens muito sumidas, se bem que um pouco maiores, parecendo mal digitalizadas. É a única crítica (entre aspas) que tenho a fazer a este número, pois o resto — incluindo, com todo o mérito, a bela ilustração de Lança Guerreiro, cada vez mais sintonizado com as personagens e os padrões estéticos do mundo texiano — merece nota altamente positiva.

Ilustração de Lança Guerreiro

Mais um excelente número (um luxo gráfico, como já afirmei!), com duas magníficas capas de Rotundo, uma soberba contracapa de outro mestre, Fabio Civitelli, e versos das capas também de dois ilustradores transalpinos: Alessandro Poli e Stefano Biglia. Um número, em suma, que tem todos os ingredientes para cativar os leitores e deixar orgulhosos os seus coordenadores e colaboradores (não só portugueses e italianos como brasileiros). Perante isto, não posso regatear elogios a quem, na revista e no Clube Tex, consegue fazer ainda mais e melhor a cada nova etapa, mostrando que são verdadeiros “ases”, motivados por essa enorme força que é a paixão por Tex e pela Banda Desenhada!

Ilustração de Fabio Civitelli

Muitíssimos parabéns, em especial ao Mário Marques e ao José Carlos Francisco, principais animadores deste magnífico projecto — consagrado oficialmente pela designação do seu berço, a cidade de Anadia, como capital portuguesa do Tex! —, e que continuem a somar êxitos ano após ano, para prestígio do Clube e satisfação de todos os seus sócios e leitores da revista, que já são muitos, espalhados por vários países!

AS CAPAS E O SUMÁRIO DE MAIS UM EXCELENTE NÚMERO DA REVISTA DO CLUBE TEX PORTUGAL

Por José Carlos Francisco

 Este mês de Julho marcará o regresso da revista do Clube Tex Portugal, um projecto feito por sócios e dirigido a todos os texianos e apreciadores da banda desenhada, focando os mais variados temas em redor de Tex e do western em geral.

As duas capas da revista nº 6 do Clube Tex Portugal, com a arte espectacular de MASSIMO ROTUNDO

Este sexto número terá 56 páginas (um novo recorde que mostra bem o crescimento da revista) e apresenta novamente DUAS versões para a sua capa, desta vez do magnífico Massimo Rotundo, desenhador, pintor, ilustrador, um dos maiores autores italianos de sempre. Recentemente, os leitores de língua portuguesa tiveram oportunidade de o descobrir através das páginas da excelente e luxuosa edição de Tempestade sobre Galveston, editada pela Polvo, o trigésimo Speciale de Tex, com texto de Pasquale Ruju, originalmente publicado em Itália em Junho de 2015.

Massimo Rotundo respondeu prontamente às nossas solicitações, com informações, sugestões e com o envio de DOIS desenhos. A escolha foi difícil perante tamanha qualidade e, por isso, optou-se novamente (tal como aconteceu com as revistas nº 2, que teve duas capas de Fabio Civitelli; nº 3, que teve duas capas de Luca Vannini; nº 4, que teve duas capas de Enrique Breccia; e nº 5, com duas capas de Maurizio Dotti) por fazer a revista com duas capas diferentes, uma clássica com Tex e Kit Carson  cavalgando em nossa direcção, numa magnífica paisagem outonal, e outra alternativa, com grande impacto visual, onde Tex e Dinamite saúdam os leitores da revista, ambas coloridas, com técnicas diversas, pelo próprio Massimo Rotundo.

Capa da revista nº 6 do Clube Tex Portugal

Outro grande destaque deste sexto número prende-se com a publicação (a cores) da história (de 12 páginas) “Morte no deserto”, escrita por Claudio Nizzi e desenhada (magistralmente) por Giovanni Ticci, porque a revista do Clube Tex Portugal tem a honra de publicar pela primeira vez a CORES, em língua portuguesa, esta história oficial de Tex, que está incluída na GRANDE HOMENAGEM que fazemos às BODAS DE OURO de Giovanni Ticci, como desenhador de Tex, e que totaliza 20 páginas deste número. Destaque ainda para as colaborações EXCLUSIVAS dos consagrados autores Fabio Civitelli, Alessandro Poli, Stefano Biglia, Moreno Burattini e Tino Adamo.

Capa variante da revista nº 6 do Clube Tex Portugal

Neste sexto número regressam, para além dos textos do director Mário João Marques (com um extenso dossier dedicado a Giovanni Ticci e que inclui uma magnífica homenagem desenhada por António Lança-Guerreiro), de José Carlos Francisco (que nos fala de Tex e seus pards esculpidos em areia), do Jesus Nabor (escrevendo sobre o facto de Tex não poder parar), do Sandro Palmas (que nos apresenta Massimo Rotundo), do João Miguel Lameiras (que nos relata uma deslumbrante visita à Casa dos Sonhos, em Milão), do Moreno Burattini (que nos conta toda a trajectória de Mefisto, o maior inimigo de Tex) e do Jorge Machado-Dias (que nos brinda com a 3ª parte de “O Texas e os Rangers“).

Teremos também a estreia de um autor/redactor da Sergio Bonelli Editore, Tino Adamo, que nos fala dos bastidores da Editora Bonelli e das edições de Tex, num fantástico e imperdível texto intitulado “A Aventura Continua“. Para finalizar este número, teremos ainda uma reportagem fotográfica sobre a Mostra do Clube Tex Portugal.

A contracapa da revista nº 6 do Clube Tex Portugal terá uma ilustração de FABIO CIVITELLI, dedicada aos amigos do Clube Tex Portugal

Nota do Clube Tex Portugal a todos os sócios:

Como habitualmente, os sócios do Clube Tex Portugal (com excepção dos sócios menores), COM AS QUOTAS DO MÊS DE JUNHO PAGAS, terão direito a receber gratuitamente um exemplar da revista. Dado que este 6º número será publicado com duas versões da capa, o exemplar gratuito será o da versão com desenho de Tex e Kit Carson a cavalgar.

Adicionalmente, sem qualquer limite, os sócios podem adquirir mais exemplares da revista, quer da versão oficial quer da versão alternativa, sendo o preço unitário de 10 euros.

Deste modo, todos os sócios que desejem adquirir exemplares da revista, devem informar desde já (e impreterivelmente até ao dia 19 deste mês) o Clube Tex Portugal, através de José Carlos Francisco (josebenfica@hotmail.com), indicando o número de exemplares pretendido para cada versão da capa e procedendo ao respectivo pagamento na conta do Clube Tex Portugal ou através de paypal, enviando o comprovativo desse mesmo pagamento.

  • Pagamentos internacionais por transferência bancária devem ser feitos com todas as despesas a serem suportadas pelo ordenador, sem qualquer dedução no valor a receber pelo Clube, devendo ser creditada a conta PT50003600009910590434664, em nome do Clube Tex Portugal na Caixa Económica Montepio Geral – código swift: MPIOPTPL;
  • Pagamentos nacionais por transferência bancária  devem ser feitos para o IBAN PT50003600009910590434664
  • Pagamentos por Paypal devem ser efectuados para o e-mail cacem.moreira@gmail.com com todas as despesas a serem suportadas pelo ordenador, sem qualquer dedução no valor a receber pelo Clube.

Ilustração exclusiva de ALESSANDRO POLI para a revista nº 6 do Clube Tex Portugal

(Texto e imagens reproduzidos, com a devida vénia, do Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa  das imagens, clique nas mesmas).

“OURO NEGRO”: UM NOVO VOLUME DA COLECÇÃO TEX ROMANCE GRÁFICO (EDITADA PELA POLVO)

Pela quarta vez, no espaço de dois anos, a Polvo Editora, uma chancela editorial de Rui Brito, publicou um Tex genuinamente português, até porque apresenta uma CAPA EXCLUSIVA PARA PORTUGAL. Ouro Negro, de Gianfranco Manfredi e Leomacs (pseudónimo de Massimiliano Leonardo), foi o volume eleito e o prestigiado desenhador italiano Leomacs esteve presente no evento texiano para abrilhantar o lançamento deste livro, que contém uma das mais especiais histórias de Tex feitas nestes 69 anos de vida editorial do Ranger.

Capa EXCLUSIVA – Ouro Negro, de Gianfranco Manfredi e Leomacs, Polvo 2017

A apresentação do livro Ouro Negro, quarto volume da colecção Tex Romance Gráfico, decorreu no dia 29 de Abril p.p., no auditório do Museu do Vinho Bairrada, e contou com a participação de Leomacs, Rui Brito e Mário João Marques, sob moderação de João Miguel Lameiras. Seguiu-se a venda do livro, permitindo aos seus compradores obter um autó- grafo do próprio desenhador, pois estava prevista no programa uma sessão de autógrafos.

O livro, com tradução de José Carlos Francisco, legendagem de Hugo Jesus e texto introdutório de Mário João Marques, tem um formato de 18,5 x 24,5 cm e uma encadernação brochada (capa mole com badanas de 12,5 cm), e foi confeccionado num papel de boa qualidade, estando enriquecido com ilustrações inéditas, seleccionadas pelo próprio Leomacs, e com uma capa realizada exclusivamente para a edição portuguesa.

Este livro tem novamente a particularidade de não ter sido publicado originalmente na série Tex Gigante, mas sim na série principal de Tex (tal como aconteceu com “O Segredo do Juiz Bean“), mais precisamente em dois volumes italianos, os números 654 e 655, editados pela Sergio Bonelli Editore em Abril e Maio de 2015, pelo que em Portugal foi também apresentado num único volume e num formato maior do que o original.

Tem ainda a particularidade de possuir uma vinheta “portuguesa”, já que uma das imagens da história foi redesenhada propositadamente por Leomacs para esta edição nacional, com a devida aprovação e parabenização da Sergio Bonelli Editore, pelo que será a única edição a nível mundial a possuir essa vinheta, que iremos dar a conhecer com mais detalhe num futuro post reproduzido, como este, do Tex Willer Blog.

O preço deste quarto volume da colecção (os anteriores volumes foram “Patagónia”, de Mauro Boselli e Pasquale Frisenda, “Tempestade sobre Galveston”, de Pasquale Ruju e Massimo Rotundo, e “O segredo do juiz Bean”, de Mauro Boselli e Pasquale Frisenda) é de de 16,99 euros nas livrarias, com IVA incluído, mas os sócios do Clube Tex Portugal tiveram a vantagem de adquiri-lo por 15 euros (1,99 euros de desconto sobre o preço em livraria), no decorrer da sua 4ª Mostra. Nesse evento, quem não é sócio pôde adquirir o livro “Ouro Negro” por 16 euros, beneficiando também de um desconto de 0,99 euros.

O livro também poderá ser comprado directamente ao editor Rui Brito, por sócios do Clube Tex Portugal que não puderam comparecer ao evento, inclusive os que residam fora de Portugal, pelos mesmos 15 euros, mas terão de adicionar 1,50 euros para despesas de envio (somente para território nacional). Se quiserem mais de um exemplar na mesma encomenda (deste ou de outro título de Tex), deverão adicionar 2,00 euros para despesas de envio (valor também para território nacional).

Para os sócios não residentes no nosso país, o valor dos portes a pagar depende do destino para onde será expedida a encomenda, pelo que também deverão contactar o editor Rui Brito para saber o valor total a pagar e a forma de efectuar o respectivo pagamento. O e-mail de contacto com Rui Brito é: ruibritobad@gmail.com.

Uma bela página do livro “OURO NEGRO”

Argumento: GIANFRANCO MANFREDI |  Desenho: LEOMACS
Polvo, 2017

(Post reproduzido, com a devida vénia, do Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa das imagens, clicar duas vezes sobre as mesmas).

ANDREA VENTURI E LEOMACS ESTARÃO PRESENTES NA 4ª MOSTRA DO CLUBE TEX PORTUGAL

ANADIA, A CAPITAL PORTUGUESA DE TEX, RECEBE MAIS DOIS ILUSTRES ARTISTAS ITALIANOS

Texto de Mário João Marques

Venturi estará em Anadia, a 29 e 30 de Abril, para deleite dos fãs de Tex e Dylan Dog

Depois de ter frequentado o Liceu Artístico e a Academia de Belas Artes de Bolonha, trabalhado em publicidade e no estúdio de Bruno Bozzetto, Andrea Venturi (nascido em Bolonha em 1963) chega à banda desenhada em 1989, estreando-se na revista Mostri. Entre 1992 e 1996 desenha quatro aventuras para Dylan Dog, com destaque para Jonhy Freask, considerada como uma das melhores de sempre da série. Estreia-se em Tex, desenhando L’uccisore di indiani, aventura escrita por Claudio Nizzi e publicada no Almanacco del West 1996, o que lhe valeu ter sido escolhido para desenhar as capas de Magico Vento, trabalho que realizou até ao n. 31 desta série, regressando em definitivo a Tex, onde se vai estrear na série mensal em 1998 com Oppio.

Simpático e humilde, Venturi recolhe a adesão dos leitores e os favores da crítica, permane- cendo até hoje como um dos baluartes de Tex, onde já teve oportunidade de assinar grandes trabalhos como Le Foreste dell’Oregon, Documento d’Accusa ou L’Artiglio della Tigre, sempre com Claudio Nizzi, assim como I Pionnieri, escrito por Mauro Boselli, a justa consa- gração deste notável desenhador, onde o autor consegue captar a essência dos grandes westerns, revelando uma visão ampla e grandiosa que poucos conseguem transmitir, através do seu traço potente e dinâmico e um cuidado reverencial à qualidade geral de cada prancha, a que a alternância de enquadramentos confere uma profundidade ímpar.

“Os Pioneiros”, a justa consagração do notável desenhador Andrea Venturi

Leomacs, pseudónimo artístico de Massimiliano Leonardo, nasceu em Roma em 1972, tendo iniciado a sua carreira em 1993 na serie Dark Side de Roberto Recchioni, autor que vai acompanhar em Napoli Ground Zero, Detective Dante e Battaglia. Depois de ter realizado Fax Palle in Canna, uma sátira a Tex, chega à Sergio Bonelli Editore em 2003, desenhando uma aventura de Nick Raider e trabalhando sucessiva- mente em Magico Vento e Volto Nascosto, séries idealizadas e escritas por Gianfranco Manfredi, assim como recentemente teve oportunidade de desenhar uma história para Dylan Dog Color Fest. A sua entrada em Tex ocorre no Almanacco del West  2009, terminando a aventura Capitan Blanco que Manfred Sommer, entretanto falecido em 2007, havia iniciado. Estreia-se na série principal dois anos mais tarde, desenhando Mondego il Killer, aventura escrita por Mauro Boselli e onde é notória a evolução do traço do autor, mais à vontade com personagens e ambientes e com uma composição de Tex influenciada pelo modelo de Claudio Villa.

Oro Nero, o mais recente trabalho de Leomacs, vem revelar um desenhador de traço expressivo e detalhado, atencioso na construção das personagens, muito dinâmico nos enquadramentos e no desenvolvimento imprimido à narração, apresentando diversas pranchas onde alguns desenhos libertam-se para além dos limites tradicionalmente impostos pelos quadrados, revelando ser um valor seguro em Tex.

Na 4ª Mostra do Clube Tex Portugal, Leomacs fará alguns desenhos para gáudio do público

(Artigo e fotos reproduzidos, com a devida vénia, do Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa das imagens, clique nas mesmas).