OS 70 ANOS DE TEX: CARTAZES DA EXPOSIÇÃO NA AMADORA

Por cortesia do blogue do Tex, apresentamos também não um, mas os DOIS CARTAZES (ambos com artes texianas do consagrado desenhador Bruno Ramella, após a devida aprovação por parte da Sergio Bonelli Editore) referentes à exposição comemorativa dos 70 anos de Tex, evento a realizar nos dias 29 e 30 de Setembro (com a participação dos autores Bruno Ramella e Moreno Burattini) na cidade da Amadora, mais precisamente na sede do Clube Português de Banda Desenhada, evento esse que contará também com uma Mostra composta por 30 pranchas e capas de 30 desenhadores diferentes, que mostrarão a evolução de Tex ao longo destas sete décadas de vida editorial.

Na exposição poderão ser apreciadas artes desses 30 desenhadores que trabalharam com Tex ou que inclusive ainda trabalham, como por exemplo Aurelio Galleppini, popularmente conhecido por Galep, Virgilio Muzzi, Erio Nicolò, Carlo Marcello, Alfonso Font, José Ortiz, Aldo Capitanio, Claudio Villa, Giovanni Ticci, Fabio Civitelli, Pasquale Frisenda, Massimo Rotundo, Stefano Biglia, Stefano Andreucci e até do próprio Bruno Ramella, que estará presente, juntamente com Moreno Burattini, para abrilhantar ainda mais este grandioso evento imperdível para todo o fã e coleccionador de Tex que se preze, até porque 70 anos só se celebram uma vez na vida e nem todos chegam a essa bonita idade…

Voltando aos DOIS CARTAZES, Bruno Ramella acabou por fazer dois desenhos exclusivos do Ranger para o evento português, de modo a que os organizadores lusitanos escolhessem o que considerassem mais apropriado. Mas perante tamanha qualidade de ambos os desenhos, o Clube Português de Banda Desenhada e o Clube Tex optaram por usar as duas ilustrações de Tex para os belíssimos cartazes que divulgamos hoje.

(Texto e imagens extraídos do Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa dos cartazes, clique nos mesmos).

Advertisements

O FUTURO DE TEX

SERGIO BONELLI (autor e editor de BD)

«As novas gerações não gostam de westerns. Tex continua a ser a BD mais vendida em Itália, mas todos os meses perde leitores; pode ser que daqui a cinco ou seis anos já não haja suficientes para o manter. Infelizmente, a BD está destinada a dar lugar, em breve, a outros divertimentos mais fáceis e cativantes».

Declarações proferidas por Sergio Bonelli em 2008. Felizmente, Tex — prestes a comemorar, no final deste mês, 70 anos de carreira (um autêntico veterano!) — continua firme como uma rocha, empunhando bem alto o facho do western clássico, rodeado ainda por uma multidão de leitores fiéis e por uma equipa de talentosos autores e editores que, nos últimos sete anos, lhe deram novo impulso. Sergio Bonelli estava enganado!

LONGA VIDA A TEX!

Ilustração de Gianluca Acciarino, com Sergio Bonelli e os seus personagens: Tex, Zagor e Mister No.

JÁ CHEGOU A PORTUGAL O MATERIAL DA SERGIO BONELLI PARA A EXPOSIÇÃO DOS 70 ANOS DE TEX

Já chegou a Portugal o material da Sergio Bonelli Editore para a exposição comemorativa dos 70 anos de Tex, evento a realizar nos dias 29 e 30 de Setembro (com a participação dos autores Moreno Burattini e Bruno Ramella,) na cidade da Amadora, mais precisamente na sede do Clube Português de Banda Desenhada, material esse que já está a ser devidamente emoldurado e pronto a ser exposto. Serão 30 pranchas e capas de 30 desenhadores diferentes que mostrarão a evolução de Tex ao longo destas sete décadas de vida editorial.

Pranchas a expor no evento comemorativo dos 70 anos de Tex, a realizar na Amadora, nos dias 29 e 30 de Setembro

Na foto que ilustra este texto podemos ver artes de Aurelio Galleppini, popularmente conhecido por Galep (a mítica primeira página de Tex, publicada em Setembro de 1948), Virgilio Muzzi, Erio Nicolò, Carlo Marcello, Alfonso Font e José Ortiz

                         A icónica primeira tira de Tex, desenhada por Galep, em 1948

Na exposição do CPBD (em parceria com o Clube Tex Portugal) poderão ser apreciadas artes de 25 outros autores que trabalharam com Tex ou que inclusive ainda trabalham, como por exemplo Aldo Capitanio, Claudio Villa, Giovanni Ticci, Fabio Civitelli, Pasquale Frisenda, Massimo Rotundo, Stefano Biglia, Stefano Andreucci, e até do próprio Bruno Ramella, que estará presente, juntamente com Moreno Burattini, para abrilhantar ainda mais este grandioso evento imperdível para todo o fã e coleccionador de Tex que se preze, até porque 70 anos só se faz uma vez na vida e nem todos chegam a essa linda idade!…

                         A primeira capa da série actual de Tex estará exposta na Amadora

(“Post” reproduzido do Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa das imagens supra, clique nas mesmas)

OS 70 ANOS DE CARREIRA EDITORIAL DE TEX SERÃO COMEMORADOS, EM SETEMBRO, PELO CPBD E PELO CLUBE TEX PORTUGAL

Bruno Ramella, desenhador de Tex, estará na Amadora nos dias 29 e 30 de Setembro para celebrar os 70 anos do famoso Ranger.

Neste ano de 2018, em que se celebram os 70 anos de vida editorial de Tex Willer, o Clube Português de Banda Desenhada (CPBD), instituição fundada a 28 de Junho de 1976 e que recentemente completou 42 anos de existência, decidiu associar-se ao Clube Tex Portugal e à Sergio Bonelli Editore, de modo a realizar na sua sede, na Reboleira (Amadora), uma grande exposição comemorativa dos 70 anos de Tex Willer, exposição essa que contará com trinta (30) pranchas das aventuras do Ranger criado em 1948 por Gian Luigi Bonelli e Aurelio Galleppini, englobando trinta autores dos primórdios da saga até aos nossos dias.

Tratar-se-á de uma Mostra composta por uma prancha desenhada por cada um dos trinta desenhadores seleccionados pela Sergio Bonelli Editore e representativa da evolução de Tex no decurso destes 70 anos de vida editorial. A Mostra também conterá revistas, livros e objectos variados (relacionados com Tex) das colecções de Carlos Gonçalves, vice-presidente do Clube Português de Banda Desenhada, Mário João Marques e Carlos Moreira, directores do Clube Tex Portugal.

Mas, para além daquela que será até hoje a maior exposição de pranchas de Tex no nosso país, outro grande destaque da comemoração desta efeméride é que iremos ter em Portugal, para celebrar com os fãs e coleccionadores de Tex em particular e da banda desenhada em geral, DOIS autores do staff oficial de Tex: Moreno Burattini e Bruno Ramella, autores que dispensam apresentações, com a particularidade de que, pela primeira vez, vamos ter a presença no nosso país de um escritor de Tex, que acompanhará Bruno Ramella, um dos mais promissores desenhadores do Ranger, até à Amadora, nos dias 29 e 30 de Setembro p.f.

Moreno Burattini, ilustre sócio honorário do Clube Tex Portugal, será o primeiro escritor de Tex a participar num evento português.

Como forma de agradecimento por este convite, Bruno Ramella fará uma magnífica ilustração de Tex exclusiva para o evento da Amadora e dos 70 anos de Tex, no CPBD, tradição já habitual e que ocorre sempre que um autor de Tex nos visita, de modo a registar a sua primeira passagem por Portugal!

Bruno Ramella vai estrear-se na saga do Ranger, precisamente neste mês de Julho, numa aventura épica que trará o (quarto) retorno, mais de 25 anos depois, do surpreendente homem dos cem rostos, o “ressuscitado” Proteus, o que mostra bem a confiança depositada por Mauro Boselli, principal responsável editorial de Tex, em Bruno Ramella.

O regresso de Perry Drayton, mais conhecido por “Proteus”, numa página desenhada por Bruno Ramella.

Para finalizar, assinale-se que em 2018 teremos em Portugal a incrível presença e participação de SETE autores de Tex, um muito provável recorde a nível mundial, número que pode vir a ser aumentado, porque ainda só atingimos a primeira metade de 2018.

(Imagens e texto parcialmente reproduzidos do Tex Willer Blog, onde poderão ver o “post” completo e mais informações sobre este evento).

MORREU RENZO CALEGARI

O homem que desenhou
 “A Balada de Zeke Colter”

Renzo Calegari (5 de Setembro de 1933 – 5 de Novembro de 2017)

Por Mário João Marques

Esta é uma das notícias que nunca queremos dar, mas que a lei da vida a isso nos obriga. Renzo Calegari, grande desenhador do fumetto italiano, faleceu no passado domingo, dia 5, aos 84 anos, deixando a banda desenhada mais pobre. Artista com duas grandes paixões, o desenho e a História, Calegari deixou bem patente o seu talento em 54 anos de uma intensa carreira, onde dedicou particular atenção ao Oeste americano, compondo páginas de verdadeira literatura desenhada.

Nascido em 1933, em Bolzaneto (Génova), Calegari começou a desenhar em 1955 para o estúdio de Rinaldo Dami, iniciando o seu percurso ao lado de autores como Gino D’Antonio em El Kid ou I Tre Bill, ou Gianluigi Bonelli em Big Davy. A partir de 1964 assina uma das suas obras primas, La Storia del West, em colaboração com grandes autores, entre eles Gino D’Antonio, Sergio Tarquinio e Renato Polese, onde vai contar a longa saga da família MacDonald durante o período dos primeiros colonos no Oeste americano.

Deixa a banda desenhada em 1969 para integrar o movimento de 68, regressando à sua paixão na década de 70 com outra obra-prima, a mini-série Welcome to Springville, escrita por Giancarlo Berardi. Para a Orient Express e Il Giornalino realiza a série Boone e Gente di Frontiera, até chegar a Tex, desenhando La Balata di Zeke Colter (auxiliado por Stefano Biglia, hoje um dos autores de ponta de Tex, e Luigi Copello), uma aventura escrita por Claudio Nizzi e publicada no Almanacco del West 1994.

Em 2004, desenhou uma aventura bélica para Mister No, intitulada Storia di um Soldato e escrita por Michele Masiero. Finalmente, em 2007, desenhou para a Sergio Bonelli Editore Bandidos!, um western escrito por Gino D’Antonio.

Com o seu talento e a sua paixão, Calegari exprimiu cultura nos seus trabalhos como poucos conseguem fazer, mas nos últimos anos da sua vida passou por momentos difíceis, sobretudo após o falecimento da sua mulher, vivendo carências a nível económico e humano, facto que, infelizmente, parece ser característico de alguns dos grandes artistas nas suas mais variadas atividades.

Os apelos em seu auxílio fizeram-se sentir, nomeadamente para que este grande autor fosse incluído na Lei Bacchelli, como efetivamente veio a acontecer, um fundo a favor de cidadãos ilustres, importante não só do ponto de vista material, mas também como sinal de reconhecimento público e de solidariedade pelo seu empenho e carreira. Um artista que nunca renegou os seus ideais e que ao longo da sua vida sempre lutou por uma sociedade mais livre e mais justa, por isso, Renzo Calegari foi sempre alguém que viveu para além das suas belas pranchas.

Morreu no passado domingo, aos 84 anos, poucos dias após a sua carreira ter sido reconhecida com o prémio Turio Copello, instituído pela sociedade económica de Chiavari e que se destina a premiar a criatividade dos artistas locais.

(Fonte: Tex Willer Blog. Para aproveitar a extensão completa das imagens, clique nas mesmas).

CIAO SERGIO! – SEIS ANOS APÓS A SUA MORTE, AS HOMENAGENS A SERGIO BONELLI CONTINUAM

A 26 de Setembro de 2011 deixava-nos Sergio Bonelli. No sexto aniversário do seu falecimento, a Sergio Bonelli Editore quis recordar o carismático editor, contando com a ajuda do extraordinário lápis de Claudio Villa.

Por José Carlos Francisco (Tex Willer Blog)

O dia 26 de Setembro de 2011 é uma data que faz reemergir na memória tantas recordações ligadas a esse dia triste, marcado pelo falecimento de Sergio Bonelli. À distância de seis anos, a Sergio Bonelli Editore quis recordar o seu editor, recorrendo à ajuda da arte extraordinária de um mestre da banda desenhada: Claudio Villa aprestou-se, mesmo que traído por uma compreensível emoção, a realizar em “directo” um esplêndido retrato. Uma homenagem que a grande editora milanesa quis compartilhar com todos os leitores para recordar da melhor forma uma pessoa inesquecível, como se pode assistir no vídeo que apresentamos de seguida.

   [por cortesia do Tex Willer Blog]

Agradecendo a Claudio Villa pela sua disponibilidade e ficando uma vez mais deslumbrados pela sua habilidade, todos os colaboradores e funcionários da editora uniram-se a Claudio Villa na saudação feita numa folha de papel… Ciao, Sergio!

Quem também se quis associar nesta data, homenageando Sergio Bonelli, foi Alessandro Piccinelli, que homenageou também Gallieno Ferri [criador gráfico de Zagor], na fantástica ilustração que damos a conhecer de seguida [com a devida vénia ao Tex Willer Blog].

Alessandro Piccinelli homenageia Sergio Bonelli e Gallieno Ferri, os “pais” de Zagor