OS TRÊS CÃES MAIS FAMOSOS DO CINEMA

Nota: Mais um artigo do nosso prezado colaborador Carlos Gonçalves, oriundo, tal como os anteriores, do fanzine brasileiro Q.I. (Quadrinhos Independentes), editado e coordenado por Edgard Guimarães, a quem devemos também a divulgação destes trabalhos no Era uma vez o Oeste. A ambos, os nossos agradecimentos.

A título de curiosidade, lembramos que as aventuras de Lassie e Rin Tin Tin foram também publicadas em livro, nos anos 1960, pela Editorial Ibis, traduzidas de edições espanholas. E com um pormenor igualmente curioso: é que, além do texto, as histórias tinham imagens, com a planificação habitual da banda desenhada, o que as tornava ainda mais dinâmicas e atractivas. Quase metade das páginas era preenchida dessa forma, como noutras colecções da Íbis, também oriundas de versões espanholas. Estamos certos de que essa foi a chave do seu rotundo êxito. 

Quanto a Strongheart, outro cão prodígio do cinema, foi uma das grandes séries publicadas n’O Mosquito, onde alcançou sucesso ainda mais duradouro do que n’O Senhor Doutor. E.T. Coelho, um dos maiores ilustradores portugueses, dedicou-lhe a sua primeira capa publicada n’O Mosquito (nº 360) e mais duas que apresentaremos também brevemente, em homenagem a ETC e a Hilda Boswell, a única mulher que desenhou histórias aos quadradinhos de aventuras, nessa época pioneira da BD inglesa.  

Advertisements

PROGRAMA OFICIAL DA 5ª MOSTRA DO CLUBE TEX PORTUGAL (28 E 29 DE ABRIL)

Convite para a Inauguração da 5ª Mostra do Clube Tex Portugal, com arte de Alessandro Bocci

Data: 28 de Abril (sábado) e 29 de Abril (domingo)
Horário: 11h00 – 19h00 horas
Local: Museu do Vinho Bairrada – ANADIA

Entrada: GRATUITA, com direito a entrada, também gratuita, na Exposição Permanente, designada por Percursos do Vinho e exposta ao longo de seis salas temáticas, com peças de valor arqueológico, etnográfico e técnico, reunidas com a colaboração de diversos vitivinicultores, entidades locais e nacionais; e na Exposição Temporária A experiência do Lugar, assim se intitula esta exposição antológica dedicada a Júlio Resende, e que destaca algumas obras raras do artista, nomeadamente uma reprodução do fresco que realizou, em 1966, para o Tribunal de Justiça de Anadia.

Tema: A Mostra tem como ponto alto a presença de dois consagrados desenhadores italianos de banda desenhada: Alessandro Bocci e Alessandro Nespolino, que vêm expor trabalhos de sua autoria relacionados a Tex:

Alessandro Bocci  com “Maria Pilar” e “Il Mescalero senza Volto”Uma dúzia de pranchas (a preto e branco, mas também a cores) do autor, seleccionadas pelo próprio, que pretendem dar a conhecer aos visitantes, no seu formato original, algumas das mais belas páginas destas histórias de Tex.

Alessandro Nespolino com “Partita Pericolosa” — Uma dúzia de pranchas do autor, seleccionadas também pelo próprio, que pretendem dar a conhecer, aos visitantes da 5ª Mostra do Clube Tex Portugal, algumas das mais belas páginas da sua única, até ao presente, história de Tex.

Cartaz (da autoria de Alessandro Nespolino) da 5ª Mostra do Clube Tex Portugal

Programa

Sábado, 28 de Abril
14h30 Chegada, a cavalo, de Tex Willer ao Museu do Vinho Bairrada;
14h45 Inauguração Oficial da 5ª Mostra do Clube Tex Portugal (Auditório);
15h15Visita guiada por Alessandro Bocci e Alessandro Nespolino às suas exposições;
15h30Espumante de Honra, aberto aos convidados e público presente;
16h00 Apresentação do livro “Capitan Jack”, de Tito Faraci e Enrique Breccia (Polvo), com a participação de Rui Brito e Pedro Bouça, sob moderação de João Miguel Lameiras (Auditório);
16h30 Sessão de autógrafos com Alessandro Bocci e Alessandro Nespolino, disponível para todo o público presente, durante a qual os autores terão oportunidade de assinar os desenhos feitos por cada um especialmente para os cartazes da Mostra.
18h00 Desenho ao vivo com Alessandro Bocci e Alessandro Nespolino, EXCLUSIVO para sócios do Clube Tex Portugal (desenhos para não sócios somente depois de atendidos os pedidos dos sócios presentes);
20h30Jantar/Tertúlia com a participação de Alessandro Bocci e Alessandro Nespolino (Restaurante “Nova Casa dos Leitões”).

Domingo, 29 de Abril
11h00 Desenho ao vivo com Alessandro Bocci e Alessandro Nespolino, EXCLUSIVO para sócios do Clube Tex Portugal (desenhos para não sócios somente depois de atendidos os pedidos dos sócios presentes);
12h00 Sessão de autógrafos com Alessandro Bocci e Alessandro Nespolino;
13h00 Almoço/Tertúlia com a participação de Alessandro Bocci e Alessandro Nespolino (Restaurante “Curiagrillbar”).

15h00 Conferência “Tex na Colecção Bonelli” com a participação de José de Freitas, João Miguel Lameiras e Mário João Marques, sob a moderação de Pedro Cleto (Auditório);
16h00 Sessão de autógrafos com Alessandro Bocci e Alessandro Nespolino;
17h00 Desenho ao vivo com Alessandro Bocci e Alessandro Nespolino, EXCLUSIVO para sócios do Clube Tex Portugal (desenhos para não sócios somente depois de atendidos os pedidos dos sócios presentes);
18h15 Festa de Encerramento.

Cartaz (da autoria de Alessandro Bocci) da 5ª Mostra do Clube Tex Portugal

AS LEITURAS DO PEDRO* – “A LENDA DE TEX”

Tex: A Lenda de Tex
Inclui: O Último da Lista; O Mescalero sem Rosto; Desafio na Velha Missão; Chupa-cabras!
Manfredi, Burattini, Rauch e Ruju (argumento)
Biglia, Rubini, Bocci e Tisselli (desenho)
Stefano Biglia (capa)
Levoir/Público
Lançamento: 12 de Abril de 2018
190 x 260 mm, 136 p., cor, capa dura
10,90 €


UM OUTRO TEX

A comemorar 70 anos de publicação ininterrupta este ano, Tex, ao longo deste tempo, evoluiu de forma moderada e serena. Nos últimos anos, no entanto, surgiu ‘um outro Tex’, aquele para que este volume abre a porta.

Duro, inflexível, justiceiro, implacável, são alguns dos adjectivos que o ranger assumiu como imagem de marca ao longo dos muitos anos que leva em páginas desenhadas. Escrito durante décadas apenas pelos Bonelli, pai e filho, aberto depois, progressivamente, a outros argumentistas, foi – é – controlado de perto pelos editores, para garantir sempre aos leitores o ‘seu’ imutável herói.

Depois dos Texone, os Tex Gigante com histórias escritas à medida dos desenhadores convidados, em tempos recentes, a exploração da cor, das histórias curtas, do formato álbum franco-belga, sem o descaracterizar (completamente), possibilitou que as abordagens se tornassem (mais) livres e originais. Para o bem e para o mal (de Tex).

A Lenda de Tex, volume inaugural da colecção que a Levoir e o Público dedicam durante dez semanas às personagens Bonelli, compila quatro dessas histórias recentes, curtas de ‘apenas’ 32 páginas – algo invulgar num percurso onde as narrativas contam geralmente uma a três centenas de pranchas.

Em O Último da Lista, surge um invulgar Tex, quase no papel de detective, numa pequena localidade perdida, à procura de um antigo assaltante, entretanto redimido, para o proteger de uma vingança, numa história em que o lado humano caminha lado a lado com a sua faceta justiceira e a aplicação do dito ‘atira primeiro, pergunta depois’.

Quanto à segunda narrativa, O Mescalero sem Rosto, é quase um remake, condensado, de uma das mais apreciadas histórias de Tex, El Muerto, e centra-se num homem que deixa um rasto de sangue no seu caminho para atrair Tex, em nome de uma vingança.

Desafio na Velha Missão apresenta-se como a mais original das quatro, embora dificilmente o futuro de Tex possa passar por aqui. A diferença começa no desenho a um tempo realista e de base fotográfica e contraditoriamente impressionista, servido por uma paleta de cores nada habitual em Tex, em que predominam os ocres e os tijolos.

E acaba na verdadeira protagonista deste conto, Patricia Graves, mulher de um militar de alta patente e raptada por um comanche; vítima do síndroma de Estocolmo ou mulher nascida antes do seu tempo, terá uma surpreendente palavra a dizer quando o destino lhe proporcionar a oportunidade de escolher.

Finalmente, em Chupa-cabras!, o México é o cenário para uma história de tom fantástico mas também trágico, em que Tex e Tigre ajudam um cientista que procura os seres lendários que sugam o sangue de animais e humanos. Uma componente fantástica, geralmente afastada das histórias do ranger mas longe de ser caso único em 70 anos de tiros e cavalgadas.

Graficamente, este tipo de histórias recentes teve uma vantagem, dotar Tex de um colorido próprio e personalizado, cada vez mais distante do colorido mecanizado que a Bonelli exibiu durante anos e que utilizou para recolorir a série normal de histórias do ranger.

Ranger que, apesar de saltar de traço em traço consoante o desenhador que se ocupa dele na altura, e de tema em tema de acordo com quem o escreve, tem um padrão e características que o tornam imediatamente reconhecível, mesmo quando é dada maior liberdade aos criadores do momento.

Apesar de díspares, estas quatro histórias são (mais) quatro contributos para a lenda de um herói de papel e, pela sua diversidade gráfica, narrativa e, apesar de tudo, temática, um bom cartão de apresentação para quem ainda não conhece Willer. Tex Willer.

Uma palavra ainda, para a belíssima aguarela de Stefano Biglia, criada especialmente para servir de capa a esta edição portuguesa, o que a valoriza e a torna (mais) apetecível para os muitos apreciadores de Tex espalhados pelo mundo.

*Texto de Pedro Cleto (na foto), publicado originalmente no seu blogue As Leituras do Pedro e reproduzido com a devida vénia, assim como as imagens deste post, do Tex Willer Blog.

Para ver as imagens em toda a sua extensão (especialmente as páginas de BD), clicar duas vezes sobre as mesmas.

A BD ITALIANA E TEX WILLER EM GRANDE DESTAQUE NUMA NOVA COLECÇÃO PÚBLICO/LEVOIR

Mais uma boa notícia para o público bedéfilo: vai estar nas bancas durante 10 semanas, todas as quintas-feiras, já a partir de hoje, 12 de Abril, uma colecção de álbuns cartonados, dedicada aos principais heróis da Sergio Bonelli Editore, muitos deles só conhecidos em Portugal através das edições brasileiras (cuja distribuição entre nós está suspensa, irremediavelmente, há muitos meses).

O volume que abre a colecção, intitulado “A Lenda de Tex” (com quatro histórias a cores publicadas originalmente na revista Color Tex, em que figura o traço de Stefano Biglia, Alessandro Bocci, Michele Rubini e Sergio Tisselli), assinala mais uma etapa na carreira internacional deste consagrado ícone da BD western, que começou a ser publicado também em Portugal por editoras independentes como a Polvo, depois de uma solitária (mas marcante) presença numa colectânea do Correio da Manhã.

Tex estará também presente no sexto volume desta colecção, intitulado “A Pista dos Fora-da-Lei”, com duas histórias longas, a preto e branco, desenhadas por Carlos Gomez e Andrea Venturi e escritas por Mauro Boselli e Claudio Nizzi. 

Alargando o universo texiano a histórias e heróis de outro género, igualmente célebres (como Dylan Dog, Dampyr, Martin MystèreJúlia, Dragonero e Mister No), a Levoir e o jornal Público merecem fartos aplausos, por apresentarem, pela primeira vez, no nosso mercado bedéfilo obras relevantes de alguns dos melhores autores italianos da actualidade. Um lançamento vaticinado ao êxito e que se espera tenha continuidade, pois no vasto catálogo da Sergio Bonelli não falta por onde escolher… 

Capa do 1º volume da Colecção Bonelli, ilustrada por Stefano Biglia.

OS CARTAZES DA 5ª MOSTRA DO CLUBE TEX PORTUGAL

Cartaz da 5ª. Mostra do Clube Tex Portugal, da autoria de Alessandro Bocci

Por José Carlos Francisco

Nos dias 28 e 29 de Abril deste ano, realizar-se-á na cidade de Anadia, capital da região bairradina, a 5ª Mostra do Clube Tex Portugal, onde obviamente não deixará de estar presente em grande destaque a personagem Tex Willer, não só pelas duas exposições associadas ao Ranger, mas também pela presença dos conceituados desenhadores italianos Alessandro Nespolino e Alessandro Bocci.

Esboço  de Alessandro Nespolino para o seu cartaz da 5ª Mostra do Clube Tex Portugal

Como forma de agradecimento por este convite português e tendo em conta que o evento se realizará no Museu do Vinho Bairrada, Alessandro Nespolino desenhou, numa típica adega portuguesa, o engenheiro Tavares da Silva (corria o ano de 1890) a servir uma taça de espumante a Tex Willer.

A produção de vinhos espumantes iniciou-se na Bairrada em 1890, por iniciativa de José Maria Tavares da Silva, director da Escola Prática de Viticultura e Pomologia da Bairrada, a actual Estação Vitivinícola da Bairrada. Tavares da Silva é figura icónica de Anadia e da Bairrada, precisamente por ser considerado o “pai” do espumante português. O engenheiro Tavares da Silva foi o seu primeiro director, tendo-se revelado o seu desempenho decisivo para o desenvolvimento da viticultura e enologia. Das várias tentativas realizadas em Portugal para a elaboração de vinhos espumantes pelo método champanhês, foi este devotado engenheiro que protagonizou, em 1890, em Anadia, os resultados mais notáveis na preparação destes, sendo um dos pioneiros do seu fabrico em Portugal.

Arte final a tinta-da-china por Alessandro Nespolino. Todos os objectos da adega são retratados ao ínfimo pormenor

Alessandro Nespolino foi ao mais ínfimo pormenor para retratar Tex Willer com o engenheiro Tavares da Silva, como se pode constatar por exemplo pelo formato da taça à época: a Taça Maria Antonieta nas mãos de Tex. Na ilustração também podemos ver, dentro da adega, uma pupitre (suporte para garrafas de espumante) da época.

Com esta especial arte, que irá directamente para a ala de Tex no Museu do Vinho Bairrada, Alessandro Nespolino torna, assim, esta quinta presença do Ranger na capital da Bairrada, uma região rica e afamada pelo seu leitão, mas também pela produção de apreciados espumantes, muito mais especial [como demonstram as ilustrações deste texto, reproduzidas do Tex Willer Blog, desde o esboço inicial ao desenho (colorido pelo próprio autor) já impresso no cartaz que mostramos mais abaixo, e que os nossos leitores, por amabilidade de José Carlos Francisco e do seu consagrado blogue, podem também comparar com a arte a tinta- -da-china para os amantes do preto & branco!]

Cartaz da autoria de Alessandro Nespolino da 5ª. Mostra do Clube Tex Portugal

Cartaz da 5ª. Mostra do Clube Tex Portugal, da autoria de Alessandro Nespolino

A ARTE DOS MESTRES: FABIO CIVITELLI

O estilo de Fabio Civitelli, com o seu tracejado em filigrana, é único na definição dos ambientes e nos contrastes de luz e sombra, sobretudo quando trabalha a preto e branco. Um artista, de facto, inimitável, com “quadros” como este que são autênticas obras de arte, pese embora a categoria de muitos dos seus pares que também dão vida às aventuras de Tex, o maior herói da BD western!

(Imagem reproduzida do Tex Willer Blog)