OS “COWBOYS” DA SÉRIE B – 3

Continuando a apresentar esta série dedicada aos cowboys que, graças ao fascínio e à magia do cinema, se tornaram ídolos das multidões, ícones imunes à passagem do tempo que encarnavam o verdadeiro homem do Oeste — um espaço legendário de onde muitos deles eram oriundos, tendo triunfado na tela devido às suas habilidades equestres, à experiência como cavaleiros adquirida nas tarefas que exerciam em ranchos e espectáculos de circo (como Tom Mix e Ken Maynard, por exemplo) —, eis mais dois textos reproduzidos da revista brasileira Aí, Mocinho!, cuja última série durou apenas oito números.

No seu terceiro número (Janeiro de 1987), surgiram as biografias de Rod Cameron e Tex Ritter, dois “astros” da série B que nos anos dourados do western fizeram também vibrar as plateias, embora a sua popularidade não fosse comparável à dos campeões de bilheteira como Buck Jones, Roy Rogers, Hopalong Casssidy e Gene Autry.

No entanto, os seus filmes ainda hoje permanecem na memória de muitos cinéfilos que eram crianças ou adolescentes nesse tempo… quando ir ao cinema para ver um filme de cowboys — geralmente nas noites de sábado ou nas matinés de domingo, em que havia folga das aulas e dos trabalhos de casa — era um acontecimento ansiosamente aguardado durante toda a semana. E que se prolongava, depois, na leitura dos comic books que empolgavam também a juventude, passando de mão em mão porque era preciso poupar os cêntimos para o filme que se exibia na sessão seguinte.

Em Portugal acontecia o mesmo e decerto ainda há quem se recorde dos trepidantes episódios com famosos heróis do western publicados no Mundo de Aventuras e congéneres, entre os quais, de vez em quando, Rod Cameron e Tex Ritter faziam também boa figura.

Tex Ritter — cowboy cantor como Roy Rogers e Gene Autry — teve também direito a uma revista com as suas aventuras, editada pela Fawcett. Claro que nos desenhos dessa revista o seu aspecto era muito mais jovem do que no cinema. Ei-lo de corpo inteiro nesta foto, junto do seu belo cavalo White Flash, tão popular como Trigger, a montada de Roy Rogers.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s